[Poemas à porta] Sonâmbulos, por Arturo Gamero

por Arturo Gamero

 

Elas um dia a Hesíodo ensinaram belo canto

quando pastoreava ovelhas ao pé do Hélicon divino.

Esta palavra primeiro disseram-me as Deusas

Musas olimpíades, virgens de Zeus porta-égide:

“Pastores agrestes, vis infâmias e ventres só,

sabemos muitas mentiras dizer símeis aos fatos

e sabemos, se queremos, dar a ouvir revelações”.

Assim falaram as virgens do grande Zeus verídicas,

Por cetro deram-me um ramo, a um loureiro viçoso

Colhendo-o admirável, e inspiraram-me um canto

Divino para que eu glorie o futuro e o passado,

Impeliram-se a hinear o ser dos venturosos sempre vivos

E a elas primeiro e por último sempre cantar.

Mas por que me vem isto de carvalho e de pedra?

(Hesíodo, Teogonia 22-35)

 

 

Então Iahweh Deus modelou o homem com a argila do solo, insuflou em suas narinas um hálito de vida e o homem se tornou um ser vivente.

(Moises, Genesis 2, 7)

 

 

Sonâmbulos

Hoje, estas passagens nos soam como fragmentos de mundos extintos, profundamente adormecidos, agitam-se suavemente na penumbra dos olhos. O sonâmbulo é aquele em que a noite vivifica o laconismo onírico a tal ponto em que o corpo levanta-se numa rebelião comovente. Fui uma criança sonâmbula, caminhava pela casa, descia escadas, respondia a quem me interrogasse. Eu dizia apenas a verdade e não me lembrava absolutamente de nada. Lembro-me apenas de andar. Lembro-me de ver. Lembrar é cruzar entre os fragmentos evocados num arquipelágico tecido, cercado pelo mar das horas escoadas.  Fiando o tecido da noite, um moinho meditante aproximou Moises de Hesíodo. O silêncio entre estes dois fragmentos espera por uma decifração pacientemente. Diria apenas que entre judeu egípcio e haedo se abre um horizonte pneumático, o recuo de um cenário repleto de sussurros ontológicos e alento natalício. O ato do sopro é um fóssil gestual cuja reminiscência faz o silêncio encher-se de argila e vozes liriais. 

 

 

imagem: Arturo Gamero

Cursos d'A Casa

[28/10] A potência da argila na vivência infantil – com Débora Amaral

[01/10] A linha e seus papéis: indício, desígnio, anotação e acontecimento / 3ª turma – com Edith Derdyk

[08/09] Oficina de Criação de Livro Ilustrado – palavra e imagem, com Odilon Moraes e Carolina Moreyra

[02/09] Poesia como ato político – com André Gravatá / 2ª Turma

[02/09] Colagem: recorte a vida e transforme em arte – com Sofia Lemos / módulo II

[02/09] Sobre o animar e o animar-se – com Luiza Christov

[01/09] Livro de Artista e suas extensões gramaticais – curso de extensão universitária, coordenação de Edith Derdyk

[28/08] Contar histórias, reinventar mundos – com Emilie Andrade / 2ª turma

[28/08] Direito à Preguiça: Sobre Imaginar Narrativas do Repouso no Cotidiano – com Giuliano Tierno

[12/08] Encontros com o Povo Verdadeiro – Angela Pappiani

[08/08] Oficina de colagem: Álbum de família – com Sofia Lemos

[04/08] Mergulho na história: Branca de Neve e Cinderela – com Ana Luísa Lacombe

[03/08] Narração Artística: Conversas sobre os paradoxos no ato de contar histórias nas cidades – com Giuliano Tierno

[25/07] Ateliê de vídeo para contar histórias – com Yohana Ciotti

[24/07] Jornada de mulheres heroicas: histórias que precisamos contar – com Yohana Ciotti

[30/07] A Escritura do Desastre – com João Gomes

[21/07] Narrativas Adormecidas: O rito de passagem das fotografias – com Sandra Lessa