[Saberes d'A Casa] Modernismos Africanos nas Bienais de São Paulo, de Luciara Ribeiro - por Giuliano Tierno

por Giuliano Tierno

 

Conheci Luciara na 29ª Bienal de São Paulo no ano de 2010. Ela participava de um coletivo de educadorxs no qual eu era supervisor. Alguém que sabia medir o silêncio e a palavra bem dita. Uma fala sempre assertiva. Um olhar preciso e justo em suas colocações. À época ela era estudante de História da Arte na UNIFESP. Os anos passaram, Luciara tornou-se uma imensa pesquisadora. Eu que já havia aprendido muito com os seus posicionamentos e o seu olhar sobre as artes visuais e as suas complexidades, aprendo sempre com a sua pulsão honesta de investigação e com a arguta percepção e análise apresentada pela pesquisadora como resultado dessa dissertação.

Agradecido que sou por estarmos nas alianças pela partilha dos saberes (epistemologias) do Sul. Que possamos pensar, dialogar, debater o que Luciara Ribeiro nos dá a ler nesse trabalho tão necessário.

Daí encontramos as palavras da própria pesquisadora apresentando suas investigações e resultados. “Esta pesquisa tem por objetivo investigar a participação de delegações africanas na Bienal de Artes de São Paulo durante o período de 1951 a 1961. Por meio da documentação localizada durante pesquisas no Acervo Histórico Wanda Svevo, verificamos que produtores e artistas africanos estiveram em diálogo com a mostra desde sua primeira edição. Com este estudo, pretende-se projetar um olhar para os modernismos africanos que participaram da Bienal de São Paulo, tendo como foco a primeira década da mostra. Apresentam-se tais relações, a partir da documentação localizada, analisando e destacando alguns dos agentes que colaboraram para tais participações. Primeiramente, realiza-se um estudo da primeira Bienal e da sua relação com os modernismos, com o colecionismo das artes africanas e com estudos das mesmas. Um segundo momento dedica-se a analisar as participações dos dois primeiros países africanos a integrarem a mostra: a União Sul-Africana (África do Sul) e o Egito. Encerra-se com um estudo da VI Bienal e as suas relações com a geopolítica das artes e da história da África. Os resultados apresentados constituem um esforço de organizar uma leitura crítica do início da Bienal de São Paulo, por meio dos modernismos africanos”.

 

Leia o texto aqui: https://www.academia.edu/41090654/Modernismos_Africanos_nas_Bienais_de_S%C3%A3o_Paulo_1951-1961_

Cursos d'A Casa

[28/10] A potência da argila na vivência infantil – com Débora Amaral

[01/10] A linha e seus papéis: indício, desígnio, anotação e acontecimento / 3ª turma – com Edith Derdyk

[08/09] Oficina de Criação de Livro Ilustrado – palavra e imagem, com Odilon Moraes e Carolina Moreyra

[02/09] Poesia como ato político – com André Gravatá / 2ª Turma

[02/09] Colagem: recorte a vida e transforme em arte – com Sofia Lemos / módulo II

[02/09] Sobre o animar e o animar-se – com Luiza Christov

[01/09] Livro de Artista e suas extensões gramaticais – curso de extensão universitária, coordenação de Edith Derdyk

[28/08] Contar histórias, reinventar mundos – com Emilie Andrade / 2ª turma

[28/08] Direito à Preguiça: Sobre Imaginar Narrativas do Repouso no Cotidiano – com Giuliano Tierno

[12/08] Encontros com o Povo Verdadeiro – Angela Pappiani

[08/08] Oficina de colagem: Álbum de família – com Sofia Lemos

[04/08] Mergulho na história: Branca de Neve e Cinderela – com Ana Luísa Lacombe

[03/08] Narração Artística: Conversas sobre os paradoxos no ato de contar histórias nas cidades – com Giuliano Tierno

[25/07] Ateliê de vídeo para contar histórias – com Yohana Ciotti

[24/07] Jornada de mulheres heroicas: histórias que precisamos contar – com Yohana Ciotti

[30/07] A Escritura do Desastre – com João Gomes

[21/07] Narrativas Adormecidas: O rito de passagem das fotografias – com Sandra Lessa