Livro de Artista e suas extensões gramaticais, por Edith Derdyk

por Edith Derdyk

 

E é com grata alegria e entusiasmo que lançamos na A Casa Tombada  o Curso de Extensão sobre Livro de Artista – “Livro de Artista e suas extensões gramaticais” -, reunindo pesquisadores,  artistas e produtores que pensam o Livro de Artista como espaço de investigação, campo poético e dispositivo na cena contemporânea.

E por que Livro de Artista?

Livro de artista, livro-objeto e obra-livro: são experiências relativamente recentes no cenário artístico brasileiro. O livro, tal como o reconhecemos hoje, em sua forma, função e realidade tecnológica, sinaliza um outro território poético quando se pensa nele como suporte experimental. As possibilidades formais que se entreabrem a partir da investigação do livro como objeto poético desenham um arco extenso de experimentações, congregando o conhecimento artesanal aos processos industriais, potencializando a mixagem de várias linguagens e modalidades de registros visuais e literários, multiplicando a descoberta de estruturas narrativas dadas pelos entrelaçamentos inusitados entre a palavra e a imagem.

 

 

Desde sempre, todas as matrizes e superfícies possíveis – pedra, barro, papiro, couro, pergaminho, papel, tela… – são campos de aterrisagem para os signos – visuais e verbais – cavoucados, gravados, inscritos, estampados, desenhados, impressos – são tábulas, são páginas, folhas e sites e fólios – futuros miolos, volumes, cadernos, blocos e suas mais variadas extensões nos modos de se ligar, acumular, costurar conectar, associar, sequenciar os signos designando  modos de leituras que nascem das pontas dos dedos. Os livros de Artista são partituras coreográficas,  são quase cinema, são propositores performativos, são superfícies extensivas, continuamente descontínuas que se estendem no tempo e no espaço, como uma  caminhada em estado de eterna movência,  tal Livro de Areia de J.L.Borges,  “porque nem o livro nem a areia tem princípio ou fim”.

E as células do livro – as bem ditas páginas – se apresentam em folhas soltas ou costuradas, coladas, dobradas em solos, duplas, trios, quartetos, páginas móveis mesmo quando fixadas. Enfim, toda e qualquer  modalidade de produção/reprodução de imagens e palavras de qualquer época e lugar, serão   lugares para armazenar, conter, difundir, amplificar, memorizar, imaginar, preservar, multiplicar signos.

A História do Livro proporciona ingredientes fabulosos e substanciais para se pensar e produzir Livro de Artista, onde podemos apreender a sintaxe e a gramática constitutiva do livro como resíduos poéticos. Livros que se tornam livres, nosso “livro arbítrio”. Aliás  Livro Arbítrio foi o nome de uma exposição (termo cunhado por Lucia Mindlin) para uma exposição em 2007,  a partir de um grupo de estudos que coordenei por 3 anos, pesquisando o livro como espaço poético e gênero artístico.

Como antecedentes, Julio Plaza escreve o artigo O livro como forma de Arte I e II publicado na extinta revista Arte em SP, 1982 e Anna Tereza Fabris e  Cacilda Teixeira Costa organizam a exposição Tendências  do Livro de Artista no Brasil, 1985 no CCSP. E o assunto revigora na entrada do século XXI, com o livro fundante sobre o assunto, Página Violada escrito por Paulo Silveira –, 2001, UFRGS. Em 2013  organizo o livro Entre ser  um e ser mil – o objeto livro e suas poéticas, Editora Senac e em 2016 Amir Brito lança O livro de Artista e a Enciclopédia Visual, UFMG. São livros que falam sobre  livros de artista, concebidos por pesquisadores brasileiros, aqui convidados para comporem este Curso de Extensão com  outros pesquisadores e artistas como Regina Melim, Elaine Ramos, Ana Luiza Fonseca, Galciani Neves, Fabio Morais, Camila Feltre.

O Livro de Artista, pela sua natureza  híbrida, é um campo de investigação  que recebe distintos afluentes que vem da Literatura, da História e Filosofia, das Artes Visuais, Artes Gráficas, Artes Performativas,  com conteúdos que sempre  surpreendem pelo  inesperado, pois nunca sabemos o que acontece ao abrir a primeira página de um Livro de Artista – esta caixa fechada que  inaugura o tempo. 

A Casa Tombada recebe  este Curso de Extensão que se entrecruza com outras Pós e Cursos proporcionados pela Casa – a dizer O Livro para Infância, Narração Artística, Gestos da Escritas, Caminhada como Método porquê o livro é também o lugar dos relatos, das travessias, das dramaturgias. Segundo e seguindo o poeta  inaugural Stéphané Mallarmé, pérola preciosa que ilumina esta trilha, tomando O Lance de Dados jamais abolirá o Acaso como  uma janela radicante e porosa – “No fundo, o mundo é feito para acabar num livro”.

 

            

 

SILVEIRA, Paulo. A página violada – da ternura à injúria na construção do livro de artista. UFRGS, 2001 (primeira edição)

DERDYK, Edith. Entre ser um e ser  mil – o objeto livro e suas poéticas.Editora Senac. SPO, 2013

BRITO, Amir Cador. O Livro de Artista e a Enciclopédia Visual. UFMG, 2016.

Cursos d'A Casa

[28/10] A potência da argila na vivência infantil – com Débora Amaral

[01/10] A linha e seus papéis: indício, desígnio, anotação e acontecimento / 3ª turma – com Edith Derdyk

[08/09] Oficina de Criação de Livro Ilustrado – palavra e imagem, com Odilon Moraes e Carolina Moreyra

[02/09] Poesia como ato político – com André Gravatá / 2ª Turma

[02/09] Colagem: recorte a vida e transforme em arte – com Sofia Lemos / módulo II

[02/09] Sobre o animar e o animar-se – com Luiza Christov

[01/09] Livro de Artista e suas extensões gramaticais – curso de extensão universitária, coordenação de Edith Derdyk

[28/08] Contar histórias, reinventar mundos – com Emilie Andrade / 2ª turma

[28/08] Direito à Preguiça: Sobre Imaginar Narrativas do Repouso no Cotidiano – com Giuliano Tierno

[12/08] Encontros com o Povo Verdadeiro – Angela Pappiani

[08/08] Oficina de colagem: Álbum de família – com Sofia Lemos

[04/08] Mergulho na história: Branca de Neve e Cinderela – com Ana Luísa Lacombe

[03/08] Narração Artística: Conversas sobre os paradoxos no ato de contar histórias nas cidades – com Giuliano Tierno

[25/07] Ateliê de vídeo para contar histórias – com Yohana Ciotti

[24/07] Jornada de mulheres heroicas: histórias que precisamos contar – com Yohana Ciotti

[30/07] A Escritura do Desastre – com João Gomes

[21/07] Narrativas Adormecidas: O rito de passagem das fotografias – com Sandra Lessa