Colisão

 

por Ivy Ota Calejon

 

.

 

Adentro o abismo que escolhi e começo a bordar. Um modo. Blanchot é uma voz vinda de outro lugar. Atiro tudo no poço e aguardo a colisão.

 

 

O tecido ganha cor depois de banho com tanino guardado na geladeira de um outro tingimento.

A textura que fica anuncia a pele, a memória árida, a retidão. Nenhuma verdade em curso.

O corte no sentido da largura prepara o gesto para os passos porvir, persigo uma voz vinda de outro lugar.

Bordar como quem busca um caminho a seguir. Pele cor de fio, tule cor de pele, tecido-pele.

Mãos seguram a agulha e os pés apontam a direção. É preciso querer. Bordar é cavar. Lembra-te. 

Cavar pontos e fissuras, o poço é ponto derradeiro. O trajeto é contínuo, mas a ruptura é presente. Então a faço.

Passei dias cerzindo a borda do que agora sei ser a extremidade. Um gesto obstinado me reteve ali.

A confissão se torna urgente, a colisão também. Não sei bordar, mas algo borda em mim.

Camadas de tule cobrem o tecido. Estou há dias soterrada, aguardando a captura de outros gestos. Os fios já não se apoiam sobre o que quer que seja.

Um gesto cortante anuncia a colisão. O fio vermelho legitima a passagem. Corpo-passagem.

Há sempre aquela presença, vultos reais demais para durar, um eco, o trem.

Um duplo silêncio enche a boca, um traço insistente se faz vermelho. Corta o tecido daquilo que seria o entremeio. Pindorama______Jales.

Lembra-te de que não terminamos de nascer.

 

 

Ivy Ota Calejon é especialista em artes manuais para a educação pel’A Casa Tombada. É idealizadora do coletivo artístico Colar de Lina e do Tecituras de Lina, onde investiga o fazer manual, o tingimento natural, a escrita e o corpo performático.

Cursos d'A Casa

[31/07/21] Bate-papo: Paraskeué e os processos de cura – com Flávio Fêo e Naine Terena

[27/07/21] Contar e Visualizar: Transpondo as Imagens para o Corpo e a Palavra – com Simone Grande

[27/07/21] Poesia marginal e periférica – com Jéssica Balbino

[27/07/21] Mergulho na História: o Lobo – com Ana Luísa Lacombe

[26/07/21] O ovo, a tartaruga e a noite: mitos de origem e o gesto criativo – com Ana Gibson e Juliana Franklin

[23/07/21] Uma leitura indígena sobre o Pensamento de Fanon – com Geni Núñez

[22/07/21] #artistaDEFpresente: novas perspectivas sobre o corpo com deficiência – com Estela Lapponi

[21/07/21] Estudos para nascer palavra – com André do Amaral

[21/07/21] Poéticas caiçaras: memórias subterrâneas e oralidade pulsante – com Janaína de Figueiredo

[19/07/21]Conversas ao pé do fogo. Viver e contar: a maravilha dos mundos – com Mara Vanessa