Conto Tradicional: Viagem de Retorno ao País da Infância

Módulo 1

26/4
1) O vasto chão da cultura popular

Contos, mitos, ritos e lendas. Cantos, ensalmos, orações e romances. Superstições e costumes. O passado que não passa.

 

3/5
2) Conto popular: conceituação, origens, difusão e persistência

O que, afinal, vem a ser o conto popular? O que o distingue do conto literário? Podemos falar de uma origem comum do conto de tradição oral? Investigaremos as muitas correntes nascidas, principalmente, no século XIX, sob o influxo da descoberta do sânscrito, com a divulgação das ideias de Benfey, Max Muller e reação de Andrew Lang.

 

17/5
3) As mil faces do herói nos contos maravilhosos

A partir do conto do “Dragon slayer” (O matador de dragões – ATU 300), buscaremos as raízes históricas do mito do herói salvador. Tendo como ponto de partida o mito de Perseu e Andrômeda, passando por Apolo, vencedor de Python, Hércules, São Jorge, Tristão, Siegfried, entre outros, o herói que derrota monstro revive o grande drama mítico da humanidade: a luta da luz contra as trevas.

 

7/6
4) Comicidade e riso nos contos populares

O herói cômico, chamados por vezes d eanti-herói, aparece sob vários nomes, o maior comum deles, Pedro Malazarte (ou Malasartes). Mas pode ser João Grilo, Bertoldo, e também de Camões (Camonge) ou Bocage (Bocais). Till Eulenspiegel na Alemanha, Jean Machepied na França, Pedro de Urdemales na Espanha, Maestro Grillo na Itália, Nasrudim na Turquia, o personagem que vinga, por meio da astúcia, as injúrias e injustiças contra os desfavorecidos, tem mil e um nomes e número equivalente de truques. O contraponto feminino do trickster é a Maria Sabida, Maria Sutil [The Clever Peasant Girl, ATU 875], mais cerebral e menos cruel, respondendo com sagacidade ao despotismo real (que é, também, o despotismo masculino).

 

28/6
5) Narrativas pias populares: o legado de Oswaldo Elias Xidieh

Publicado em 1967, pelo Instituto de Estudos Brasileiros da USP, Narrativas pias populares é o primeiro livro voltado exclusivamente aos contos religiosos. Calcadas nos evangelhos canônicos, mas, principalmente, na vasta literatura apócrifa e no lendário medieval, impregnadas pela religiosidade sincera e pela ausência de dogmas, as narrativas pias são, por assim dizer, a Bíblia do povo, levada pelas águas da tradição para longe da fúria dos concílios, bulas e editos. Especial atenção será dada ao mito de deus que caminha entre os homens. Por que “Deus” (Zeus, Odin, Viracocha, Jesus) desce à terra? Seria esta a origem dos contos do rei que, em trajes de mendigo, testa o coração de seus súditos?

 

SUGESTÕES DE LEITURA

• ALCOFORADO, Doralice. O conto mítico de Apuleio no imaginário baiano. In: Estudos em literatura popular. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, 2004.
• AMARAL, Amadeu. Tradições populares. São Paulo: Hucitec, 1976. ARAUJO, Alceu Maynard. Cultura popular brasileira. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
• BRANDÃO, Théo. Seis contos populares do Brasil. Maceió: MEC-SEC-Funarte, Instituto Nacional do Folclore, ufal, 1982.
• CALVINO, Ítalo. Fábulas italianas. Tradução de Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
• CARDIGOS, Isabel; CORREIA, Paulo. Catálogo dos Contos Tradicionais Portugueses (Com as versões análogas dos países lusófonos). CEAO da Universidade do Algarve / Edições Afrontamento: Portugal, 2015.
• CASCUDO, Luís da Câmara. Contos tradicionais do Brasil. 13. ed. São Paulo: Global, 2004.
• COELHO, Adolfo. Contos populares portugueses. Portugal: Compendium, 1996.
• GOMES, Lindolfo. Contos populares brasileiros. 3. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1965.
• GUIMARÃES, Ruth. Calidoscópio: a saga de Pedro Malasartes. São José dos Campos: JAC Editora, 2006.
• HAURÉLIO, Marco. Contos e fábulas do Brasil. Classificação e notas: Paulo Correia. São Paulo: Nova Alexandria, 2011.
Contos folclóricos brasileiros. Classificação e notas: Paulo Correia. São Paulo: Paulus, 2010.
O príncipe Teiú e outros contos brasileiros. São Paulo: Aquariana, 2012.
• Wilson Marques. Contos e Lendas da Terra do Sol. São Paulo: Paulus, 2019.
• NASCIMENTO, Bráulio do. Estudos sobre o conto popular. São Paulo: Terceira Margem, 2009.
• PIMENTEL, Altimar. Estórias de Luzia Teresa (Três volumes). Brasília: Thesaurus, 1995.
• PROPP, Vladimir. As raízes históricas do conto maravilhoso. 2. ed. Tradução de Rosemary Costhek Abílio. São Paulo: Martins Fontes, 2002.
• ROMERO, Sílvio. Contos populares do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, São Paulo: Edusp, 1985.
• XIDIEH, Oswaldo Elias. Narrativas pias populares. São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros – USP, 1967.

Quem é o professor?

Marco Haurélio é formado em Letras Vernáculas pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Desde 2005, desenvolve um trabalho de recolha, catalogação, classificação e difusão de gêneros da tradição oral brasileira, com destaque para contos e cantos populares. Autor, pesquisador e divulgador da literatura de cordel, tem mais de 40 títulos publicados, a maior parte dedicada a este gênero. Foi curador do Espaço do Cordel e do Repente na Bienal de São Paulo em 2016 e 2018. Também é o idealizador e curador do projeto Encontro com o Cordel, realizado pelo SESC 24 de Maio. Profere palestras e ministra oficinas e cursos sobre o cordel e o conto popular em feiras, bienais e espaços culturais. Vários de seus livros foram selecionados pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) para o Catálogo da Feira do Livro Bolonha e outros tantos, selecionados em diversos programas de governo. Em 2017, foi finalista do Prêmio Jabuti com a obra Cordéis de Arrepiar: Europa (IMEPH).

Quando

26 de abril
3 de maio
17 de maio
7 de junho
28 de junho
(sextas-feiras, das 10h às 13h)

 

Público

Geral

Turma

25 vagas

Investimento

R$ 450,00 (em até 4x sem juros)

Outros cursos d'A Casa

[29/04] O Objeto Livro: História e Contemporaneidade

[26/04] Sessão Cinema: “Impressão Minha”, documentário sobre publicações independentes com debate

[08/05] A paixão pela palavra – Narrar, escrever e ler para pertencer ao mundo com Kiara Terra

[07/05] Cantar a Voz com Nani Barbosa e Renata Gelamo

[06/05] Histórias de Boca: Contos Tradicionais na Educação Infantil

[05/09] Edição de livros – caminhos possíveis

Grupo de estudos Filosóficos

[11/04] Encontros com o Povo Verdadeiro

[08/03] Para narrar com imagens é preciso saber desenhar? Com Aline Abreu

[04/05] Workshop Fotografia e Tecnologia em 1 dia

Histórias e Culturas Afro-brasileiras e Indígenas na Educação – 2º sem/2019

Narração Artística: Caminhos para contar histórias em contexto urbano – 2ºsem/2019

O livro para a infância: processos de criação, circulação e mediação contemporâneos

Caminhada como método para a arte e educação

Antropologia da Infância – A vez e a voz das crianças