[Poemas à porta] Por onde começa a paisagem (com Llansol), por Ângela Castelo Branco

por Ângela Castelo Branco

A boa nova anunciada à natureza

“A boa nova anunciada à natureza” é o escândalo que a minha época não aceita. O Ser existe como beleza, mas nós perdemo-lo e percorremos toda uma órbita excêntrica para o voltar a encontrar. A Boa Nova dirige-se à Terra no seu todo: não só porque nesta se desenvolveram entidades irredutíveis mas também porque é no seu todo que está ameaçada.

Deixou de se formar a partir da Beleza.

A ideia de que tudo o que não é humano tem, tal como o humano, necessidade de redenção, é vital para a nossa continuação aqui, ou noutro lugar.

No momento da posse, no poema de 11 de Junho (poema que nunca foi encontrado) tudo participa nas diversas partes: a boca, a copa frondosa, o cogumelo, a falésia, o mar, a erva rasteira, a leve aragem, os corpos dos amantes. Os três sexos que movimentam a dança do vido: a mulher, o homem, a paisagem.

Esta é a novidade: a paisagem é o terceiro sexo.

A paisagem não tem um sexo simples. Nem o homem, nem a mulher. Há, no entanto, alguns fatos que aqui consigno:

Na paisagem, ou na geografia imaterial da espécie terrestre, os seres humanos distribuem-se em vagabundos, em formadores, em construtores e em poetas.

Os vagabundos erram à procura de uma nova paisagem. São, desde sempre, exteriores à comunidade. Os construtores são os elementos estabilizadores que prendem toda a geografia imaterial à vida quotidiana. Os formadores sentem essa geografia porque o seu órgão é o coração. Os poetas vêem, e anunciam a geografia imaterial por vir.

Os construtores, os formadores são peregrinos.

Os poetas também o são, de certo modo. Há uma grande afinidade que os liga aos vagabundos. Porque são os únicos que desejam o retorno do ser como Belo.

É vital conhecer a paisagem.

(…)

(Llansol, Maria Gabriela, Onde vais, drama-poesia?, 2000, p. 44-45)

 

____

por onde começa uma paisagem? não sabemos como começamos.

no entanto,

há uma árvore aqui na minha janela, mais exatamente uma copa inteira.

que arranha o vidro da sala, que se move inteiramente com o vento à noite, faz sombras na parede do quarto sustentando a luz da rua e da lua.

que esconde os cantos de sabiás-laranjeira e de almas-de-gato.

há uma árvore na minha janela. que não sei a espécie, que solta suas folhas diariamente, cada uma a seu tempo e lugar.

há uma árvore que abre o sol por entre.

há uma árvore que me narra um dicionário de sopros.

há uma árvore,

posso chamar isso de paisagem?

não sei se a alcanço com o olhar.

há uma árvore. e não sei explicar-lhe a diferença entre moral e ética, entre partir e ficar.

há uma árvore enquanto leio Maria Gabriela Llansol.

há uma árvore

e esse pode ser um modo de começar.

 

Cursos d'A Casa

[28/10] A potência da argila na vivência infantil – com Débora Amaral

[01/10] A linha e seus papéis: indício, desígnio, anotação e acontecimento / 3ª turma – com Edith Derdyk

[08/09] Oficina de Criação de Livro Ilustrado – palavra e imagem, com Odilon Moraes e Carolina Moreyra

[02/09] Poesia como ato político – com André Gravatá / 2ª Turma

[02/09] Colagem: recorte a vida e transforme em arte – com Sofia Lemos / módulo II

[02/09] Sobre o animar e o animar-se – com Luiza Christov

[01/09] Livro de Artista e suas extensões gramaticais – curso de extensão universitária, coordenação de Edith Derdyk

[28/08] Contar histórias, reinventar mundos – com Emilie Andrade / 2ª turma

[28/08] Direito à Preguiça: Sobre Imaginar Narrativas do Repouso no Cotidiano – com Giuliano Tierno

[12/08] Encontros com o Povo Verdadeiro – Angela Pappiani

[08/08] Oficina de colagem: Álbum de família – com Sofia Lemos

[04/08] Mergulho na história: Branca de Neve e Cinderela – com Ana Luísa Lacombe

[03/08] Narração Artística: Conversas sobre os paradoxos no ato de contar histórias nas cidades – com Giuliano Tierno

[25/07] Ateliê de vídeo para contar histórias – com Yohana Ciotti

[24/07] Jornada de mulheres heroicas: histórias que precisamos contar – com Yohana Ciotti

[30/07] A Escritura do Desastre – com João Gomes

[21/07] Narrativas Adormecidas: O rito de passagem das fotografias – com Sandra Lessa