[Poemas à porta] O Gerânio Vermelho e o Divino Resedá, por Natalia Barros

por Natalia Barros

O GERÂNIO VERMELHO E O DIVINO RESEDÁ

Pode-se jamais imaginar a mente de alguém pensando

                                                          um gerânio vermelho?

Como se o vermelho do gerânio pudesse ser qualquer coisa diversa

de uma experiência sensual,

e como se a experiência sensual pudesse preceder os sentidos…

Sabemos que nem Deus podia imaginar o vermelho do gerânio,

Vermelho,

ou o perfume do resedá,

antes de haver gerânios e resedás.

E mesmo que já os houvesse, até Deus precisava de um nariz para

sentir o aroma do resedá.

Não se pode imaginar o Santo Espírito aspirando o odor de um

heliotrópio pintalgo em cereja.

Ou o Altíssimo, na era do carvão, a martelar seu crânio gigante,

mesmo que ele tivesse crânio; exercitando toda a força da sua mente,

a pensar, entre os musgos e o lodo de lagartos e mastodontes

a pensar, em abstrato, quando tudo era lodo verde e crepuscular:

Faça-se já – zás trás –

rápido, presto, gerânio vermelho e resedás”

Sabemos que assim não podia ser.

 

Mas imagine-se – entre o lodo dos mastodontes –

Deus suspirando e desejando, num tremendo desejo criador, na

verde-escura confusão  –

Ah! E uma outra beleza!…e uma outra beleza

enfim desabrochando – o gerânio vermelho e o resedá.

 

 

  1. H. Lawrence

alguma poesia

Tradução: Aíla de Oliveira Gomes

  1. A. Queiroz, Editor

 

 

 

O mundo está em construção; deus também. A criação a partir de um campo magnético de desejo. O que podemos criar, que não esteja também desejando se criar? Criar vida, desde um lugar sedimentado em terras inundadas, como o fundo dos mares, rios, lagos ou pântanos, com partículas provenientes de matéria orgânica decomposta em suspensão no meio aquoso. Uma terra em ebulição, rica, um berço esplêndido. Um lodo original, verde, caótico e confuso de fertilidade arcaica.

No poema, deus está martelando seu próprio crânio e, ainda que não possua essa caixa óssea, força-o a criar existência, com suas próprias mãos. Exercita o pensamento concretamente, a partir de um corpo sensível, animado, exposto ao campo do desejo do que quer vir-a-ser. Na pré-história de deus, entre lagartos e mastodontes, ele “suspira e deseja” e sua criação, não é aqui, um objeto mágico – zás trás, mas pulsa lenta e profundamente, livre do tempo cronológico. E no mesmo campo vibracional – da lama – as flores-sementes, também desejam vir ao mundo. Espetaculares, vermelhas e perfumadas. A beleza emerge eroticamente, pelo mútuo desejo.

A beleza impulsiona o pensamento a brotar da terra.

 

Imagem externa: pintura rupestre – Serra da capivara – Piauí – BR

Imagem interna: flor – Natalia Barros

Cursos d'A Casa

[09/11] Escutas radicais: ecologia de práticas e práticas em ecologia – com Sebastian Wiedemann

[09/11] A linha e seus papéis: cartografias do desenho – com Edith Derdyk

[04/11] Escritas de quarentena – com Tatiana Barbosa Cavalari

[28/10] Fantasia e design nos livros ilustrados como conceito e método – com Michaella Pivetti

[28/10] Narraturgia: de curtas-metragens a narração oral – com Gazel Zayad

[28/10] A potência da argila na vivência infantil – com Débora Amaral

[23/10] “Eu me lembro”: escrita de memórias em fragmentos – com Tatiana Barbosa Cavalari

[21/10] Maria Gabriela Llansol: fragmentos de um Cor’p’oema – com Janaina de Paula

[21/10] Poesia como ato político – com André Gravatá / 3ª turma

[20/10] Abrir-se para a escuta: de si e do mundo – com Adriana Friedmann

[15/10] Uma mala corpo casa para viajar – com Jullipop

[14/10] Construindo um livro-casa pop-up: a Engenharia de Papel em prol da narrativa – com Gustavo de Magalhães

[14/10] O rito de passagem das fotografias: reinvenção de memórias – com Sandra Lessa e professores convidados

[10/10] Oficina de colagem: O que é ser criança? – com Sofia Lemos

[10/10] De infância e nuvens: o contador de histórias e o imaginário infantil – com Giba Pedroza

[07/10] Dança da mão: desenho solto – com Biba Rigo

[06/10] Introdução à técnica do Papercutting/Kiriê – com Ariádine (2ª turma)

[02/10] Jornada de mulheres heroicas: histórias que precisamos contar / 3ª turma – com Yohana Ciotti

[01/10] Resolução de conflitos na sala de aula por meio das Assembleias Dramatizadas – com Ana Lucia Arbex

[01/10] Oficina de poesia: O delírio da palavra – com Tatiana Fraga

[01/10] A linha e seus papéis: indício, desígnio, anotação e acontecimento / 3ª turma – com Edith Derdyk

[30/09] Onde vive o movimento nas narrativas? A potência de conviver com as imagens e manter o movimento – com Melissa Migliori

[29/09] Narrando Infâncias – com Gazel Zayad

[24/09] Literatura da interioridade: reflexões sobre espiritualidade antiga – com Arturo Gamero

[16/09] Conto de Fadas: Retorno ao País da Infância – com Marco Haurélio – 3º módulo

[08/09] Mergulho na História – Linhas, agulhas e teares com Ana Luísa Lacombe

[08/09] Oficina de Criação de Livro Ilustrado – palavra e imagem, com Odilon Moraes e Carolina Moreyra

[01/09] Livro de Artista e suas extensões gramaticais – curso de extensão universitária, coordenação de Edith Derdyk

[12/08] Encontros com o Povo Verdadeiro – Angela Pappiani