A palavra aponta, por Ângela Castelo Branco

O Poema, de Luiza Neto Jorge

I

Esclarecendo que o poema

é um duelo agudíssimo

quero eu dizer um dedo

agudíssimo claro

apontado ao coração do homem

 

falo

com uma agulha de sangue

a coser-me todo o corpo

à garganta

 

e a esta terra imóvel

onde já a minha sombra

é um traço de alarme

 

II

Piso do poema

chão de areia

 

Digo na maneira

mais crua e mais

intensa

 

de medir o poema

pela medida inteira

 

o poema em milímetro

de madeira

 

ou apodrece o poema

ou se ateia

 

ou se despedaça

a mão ateia

 

ou cinco seis astros

se percorre

 

antes que o deserto

mate a fome

 

(poema da poeta portuguesa Luiza Neto Jorge, publicado no livro Poesia, editora Assírio & Alvim, em 2001)

Por Ângela Castelo Branco

O que dizer, o que escrever depois de um poema desses?

Quando leio: o poema em milímetro de madeira/ou apodrece ou se ateia

me calo, me escondo, estou árvore sem casca, nua.

Como isso fala tanto comigo? Como fala tanto de mim? Um de mim além de mim, um de mim da madeira que sou, da madeira em mim que sou. Dedo de madeira em riste: ou fungo ou fogo, ou seca e estala ou mofa pra sempre. A palavra aponta, como um lápis apontado, agulha de escrita, ponta de espinhos cravados direto ao olho do coração.

Assim, esse poema me bate à porta.

Outras Palavras

Cursos d'A Casa

[09/11] Escutas radicais: ecologia de práticas e práticas em ecologia – com Sebastian Wiedemann

[09/11] A linha e seus papéis: cartografias do desenho – com Edith Derdyk

[04/11] Escritas de quarentena – com Tatiana Barbosa Cavalari

[28/10] Fantasia e design nos livros ilustrados como conceito e método – com Michaella Pivetti

[28/10] Narraturgia: de curtas-metragens a narração oral – com Gazel Zayad

[28/10] A potência da argila na vivência infantil – com Débora Amaral

[23/10] “Eu me lembro”: escrita de memórias em fragmentos – com Tatiana Barbosa Cavalari

[21/10] Maria Gabriela Llansol: fragmentos de um Cor’p’oema – com Janaina de Paula

[21/10] Poesia como ato político – com André Gravatá / 3ª turma

[20/10] Abrir-se para a escuta: de si e do mundo – com Adriana Friedmann

[15/10] Uma mala corpo casa para viajar – com Jullipop

[14/10] Construindo um livro-casa pop-up: a Engenharia de Papel em prol da narrativa – com Gustavo de Magalhães

[14/10] O rito de passagem das fotografias: reinvenção de memórias – com Sandra Lessa e professores convidados

[10/10] Oficina de colagem: O que é ser criança? – com Sofia Lemos

[10/10] De infância e nuvens: o contador de histórias e o imaginário infantil – com Giba Pedroza

[07/10] Dança da mão: desenho solto – com Biba Rigo

[06/10] Introdução à técnica do Papercutting/Kiriê – com Ariádine (2ª turma)

[02/10] Jornada de mulheres heroicas: histórias que precisamos contar / 3ª turma – com Yohana Ciotti

[01/10] Resolução de conflitos na sala de aula por meio das Assembleias Dramatizadas – com Ana Lucia Arbex

[01/10] Oficina de poesia: O delírio da palavra – com Tatiana Fraga

[01/10] A linha e seus papéis: indício, desígnio, anotação e acontecimento / 3ª turma – com Edith Derdyk

[30/09] Onde vive o movimento nas narrativas? A potência de conviver com as imagens e manter o movimento – com Melissa Migliori

[29/09] Narrando Infâncias – com Gazel Zayad

[24/09] Literatura da interioridade: reflexões sobre espiritualidade antiga – com Arturo Gamero

[16/09] Conto de Fadas: Retorno ao País da Infância – com Marco Haurélio – 3º módulo

[08/09] Mergulho na História – Linhas, agulhas e teares com Ana Luísa Lacombe

[08/09] Oficina de Criação de Livro Ilustrado – palavra e imagem, com Odilon Moraes e Carolina Moreyra

[01/09] Livro de Artista e suas extensões gramaticais – curso de extensão universitária, coordenação de Edith Derdyk

[12/08] Encontros com o Povo Verdadeiro – Angela Pappiani