Matéria sobre a Casa Tombada publicada no Blog Sopa de Letrinhas

ERA UMA CASA… CHEINHA DE HISTÓRIAS

  • Sopa de letrinhas

23 de Fevereiro de 2017 às 07:38

Era uma vez uma casa, totalmente abandonada e um tanto assombrada, localizada no número 109 na rua Ministro Godoi, em Perdizes, zona oeste de São Paulo. Quem pelas redondezas passava apressado nem reparava em sua bonita fachada, tombada, cheia de memórias. Até que certo dia a casa chamou a atenção do casal Giuliano Tierno e Ângela Castelo Branco, ambos educadores e escritores, que logo imaginaram que muitas histórias caberiam ali!

Há quase dois anos, virou A Casa Tombada, que oferece cursos de pós-graduação, extensão e livres, além de intensa programação cultural, com lançamentos de livros, performances, bate-papos e narrações de histórias, entre outras atividades, com convidados especiais, como escritores, políticos e artistas. Confira mais aqui.

Ângela conta que foi em sua licença-maternidade que viu a casa e bateu uma vontade forte de mudar de vida. “Passávamos na frente da casa e estava sempre fechada – abandonada, meio casa assombrada mesmo. Uma casa tão linda, ociosa. Um dia resolvemos ligar para perguntar o preço do aluguel. Estávamos nesse momento de fazer coisas que, se você não faz, depois você se sente um bundão, sabe? É quando você fala: ‘A gente tá no meio da vida, a gente precisa dar algum salto’”, lembra.

Giuliano já coordenava a pós-graduação A arte de contar histórias em um outro local. Veio, então, a ideia de levar o curso para a casa, com o desejo de abraçar o lugar, com a Ângela escrevendo histórias e Giuliano contando outras. “Será que é aí que a gente queria colocar nossas energias? A gente não tinha um projeto, só sabia que aquilo a gente não queria mais e que de alguma forma queria espaço para trabalhar”, conta.

A energia que move A Casa é o afeto, a troca e a partilha de experiências. “É esse lugar potente, da arte e da educação como criação, como diluição de fronteiras. A gente precisa ter um papel político de encorajar as pessoas para trazerem seu jeito de dizer – e isso não está escrito na ABNT”, provoca Ângela, referindo-se a um modo diferente de olhar a pesquisa acadêmica.

A jornalista Cristiane Rogerio, que tem uma experiência sólida em literatura infantil, embarcou no projeto logo após deixar seu antigo emprego na revista Crescer. O ponto de congruência entre os três foi o livro dedicado à infância.

Ela começou com uma disciplina dentro do curso da pós A arte de contar histórias, e a discussão ganhou tamanha importância que logo conquistou o espaço de uma outra pós-graduação, o segundo curso a ser oferecido n’A Casa: O livro para a infância: textos, imagens e materialidades. “O livro para infância mexe de modo bem particular com as pessoas”, afirma Cristiane.

“Tragam suas coisas para colocarmos em cima da mesa e discutirmos”, esse é o convite da casa onde ninguém fica calado. Nas conversas em que são discutidos os pontos cegos, as diversidades, a práticas de cada participante em relação a si mesmo e ao mundo, é despertado o impulso da mudança, em ver e fazer diferente.

Nos últimos dois anos, Giuliano foi descobrindo que A Casa é lugar que se mantém vivo pelas relações entre as pessoas, pela construção partilhada, pela experiência que antecede o verbo. Mas qual palavra definiria o local? No percurso, o educador foi delineando melhor o espaço que, mais do que um território, constitui-se por um “mapa de afetos”, com conexões estabelecidas por seus muitos habitantes-frequentadores.

***

Ilustração Marcelo Tolentino

Outras Palavras

CURSOS d’A CASA

Coordenação Pedagógica: cartografias da diversidade e das singularidades na atuação coordenadora

Saberes populares para a Arte e a Educação nas vivências da Carroça de Mamulengos: O que nós podemos fazer por nós mesmos?

Gestos de Escrita como prática de risco

Narração Artística: Caminhos para contar histórias em contexto urbano

O livro para a infância: processos de criação, circulação e mediação contemporâneos

Caminhada como método para a arte e a educação

[20/09] Lançamento do livro “Vozes da Tradição”

[19/09] ENCONTRO ABERTO: POSSIBILIDADES DA NOVELA GRÁFICA, COM MARÍA LUQUE

[13/09] MAR, MAPA, MEMÓRIA: OFICINA DE POESIA E IMAGEM, COM ROSINHA

[06/09] Apresentação musical – UMA

[03/10] MATERIALIDADE É LEITURA? com Camila Feltre e Cristiane Rogerio

[10/09] “Experiências de escuta em comum” com Helena Freire Weffort

[25/10] Infâncias: Raízes multiculturais infantis: histórias, memórias e a importância das biografias

[27/09] Infâncias: entrelaces entre mitologia, filosofia e espiritualidade

[25/11] Conto Tradicional: Viagem de Retorno ao País da Infância com Marco Haurélio – II módulo

Processos de Criação e Bordaduras com Eliane Tavelli

[02/09] CRIANDO NARRATIVAS VISUAIS: imersão Com ALINE ABREU

À escrita: experimentos em ateliê e acompanhamento de projetos com Ângela Castelo Branco

[21/09] Sábado em Casa: Histórias à volta d’A Casa

[24/09] Gestos de Escrita

[02/08] Lançamento livro : Imagino Veneza de Julia Panadés

[28/11] Seminário: Educação e Democracia

[03/08] Bordar é um verbo destinatário

[04/08] Se os Tubarões Fossem Homens: conversa sobre Brecht, relações de poder e livro ilustrado

[22/07] Sessão de Narração de Histórias com Mirta Portillo

[18/07] Comemoração quatro anos d’A Casa Tombada!

[06/08] Quadros sonoros – criação musical a partir da imagem, com Tarita de Souza

[13/08] Ateliê de voz: espaço para escutar, respirar e encontrar a voz própria, com Renata Gelamo

[13/07] Encontro de Mulheres Indígenas

[19/07] Documentário “ECO – Cantos da Terra”

[15/07] A paixão pela palavra – Narrar, escrever e ler para pertencer ao mundo com Kiara Terra

[30/07] Oficina de Asalato, com Daniela Alarcon e Mauro Tanaka

[27/07] Bordado em Livro Sanfona com Priscilla Ballarin

[24/07] Materialidade e Leitura com Camila Feltre e Cristiane Rogerio

[26/07] Lançamento da 3ª Edição da Revista Linguará – C

[22/07] Oficina de Criação de Livro Ilustrado – Palavra e Imagem, Com Odilon Moraes e Carolina Moreyra

[18/09]Tramas e Fios com Ana Luísa Lacombe e Eliane Tavelli

[21/07] Palco aberto “Objetos na Performance Narrativa”

[21/07] Dom Quixote, o cavaleiro sonhador

[18/09] Tramas e Fios com Ana Luísa Lacombe e Eliane Tavelli

[15/07] As Chaves Para Contar Histórias com Ana Luísa Lacombe

[06/07] Workshop de ilustração em escultura de papel

[28/06] Show “Mensagem” de Heloisa Bonfanti

[12/09] Resolução de conflitos_Assembleias Dramatizadas e Formação de Grupo

[27/07] A arte de contar histórias na vida de todo dia

[04/06] Ateliê de Voz: espaço para escutar, respirar e encontrar a voz própria

[06/06] O papel da dimensão estética na Educação

[28/05] Vivência Circular: Potência, Poder e Punição

[05/05] Lançamento do livro “O Grande Pato”

[26/04] Uma conversa sobre poesia e pós-poesia com Carlito Azevedo

[29/04] O Objeto Livro: História e Contemporaneidade

[26/04] Sessão Cinema: “Impressão Minha”, documentário sobre publicações independentes com debate

[08/05] A paixão pela palavra – Narrar, escrever e ler para pertencer ao mundo com Kiara Terra

[20/07] II Ciclo “Objetos na Performance Narrativa”

Conto Tradicional: Viagem de Retorno ao País da Infância

[07/05] Cantar a Voz com Nani Barbosa e Renata Gelamo

[06/05] Histórias de Boca: Contos Tradicionais na Educação Infantil

Processos de Criação e Bordaduras

[05/09] Edição de livros – caminhos possíveis com Helô Beraldo

GRUPO DE ESTUDOS FILOSÓFICOS com Luiza Christov

Para narrar com imagens é preciso saber desenhar? Com Aline Abreu

Histórias e Culturas Afro-brasileiras e Indígenas na Educação

A vez e a voz das crianças: escutas antropológicas e poéticas das infâncias