Talvez essas cartas sejam para você, por Keila Knobel

por Keila Knobel

 

Quando ganhei esse livro, fiquei curiosa com ele, mas não o li. Não era para mim. Como diz o título, são “cartas a um jovem poeta”, e eu era uma fonoaudióloga-pesquisadora-decepcionada voltando para o consultório. Resgatei a fala da minha avó “as lágrimas de um você enxuga no paletó do outro” e a trouxe para a vida profissional (funciona melhor, acho). Fui secar minhas lágrimas na arte e na literatura. Quando, dois anos depois, me remoía em dúvidas porque não sabia se assumiria meu novo amor inteira e publicamente, reencontrei o livro com as cartas que Rilke escreveu em resposta ao rapaz que viveu algo parecido.

No começo da primeira carta Rilke (1875-1926) já avisa que não fará nenhuma avaliação crítica dos textos recebidos e o censura por buscar sua opinião, de outros autores e de editores. “O senhor está olhando para fora, e é o justamente o que menos deveria fazer neste momento. Ninguém o pode aconselhar ou ajudar – ninguém.” Assustada e encantada, fui grifando, circulando, enchendo o livro de post-its. “Também, meu prezado senhor, não posso lhe dar outro conselho fora este: entrar em si e examinar as profundidades de onde jorra a sua vida; na fonte desta é que encontrará resposta à questão de saber se deve criar. (…) Talvez venha a significar que o senhor é chamado a ser um artista. Neste caso, aceite o destino e carregue-o com seu peso e sua grandeza, sem nunca se preocupar com recompensa que possa vir de fora.” Eu lia e voltava para a primeira página do livro. Ficávamos a nos olhar.

 

 

Felizmente o jovem e indeciso Franz Xavier Kappus era também insistente, e Rilke, paciente. Nas nove cartas que seguem essa primeira (trocadas entre 1903 e 1908), Rilke fala sobre a importância do contato com a simplicidade e com a natureza, abraçando a solidão que somos e sempre fomos. Fala do valor de tudo o que nasce dentro de si, ainda que seja difícil trazer-lhes à luz. Principalmente, diz da criação que nasce unicamente por necessidade íntima, sem finalidade, muito menos por anseio de aprovação ou de reconhecimento. E revela algo que só entendi depois de muitas releituras. A inquietação, a dor e a melancolia trazem o futuro para dentro de nós.

 

Rainer Maria Rilke. Cartas a um jovem poeta e A Canção de Amor e de Morte do Porta-Estandarte Cristóvão Rilke. Tradução de Paulo Rónai e Cecília Meireles. São Paulo, Editora Globo, 2016, 123 p.

 

(publicado na Alemanha em 1929, primeira edição em português em 1953)

Cursos d'A Casa

[21/11] Para Amar a Poesia: a arte da palavra e a infância – com Giba Pedroza

[30/11] Escritas de quarentena – com Tatiana Barbosa Cavalari

[19/11] A Poética do Objeto: da Metáfora ao Afeto – com Kelly Orasi

[18/11] Ateliê online: Práticas de desenho e pintura – com Biba Rigo

[12/11] Música Africana na Diáspora no Brasil – com Spirito Santo

[12/11] O Diário de Frida Kahlo: um escrever pictórico? – com Carla D’Alessandro

[09/11] Escutas radicais: ecologia de práticas e práticas em ecologia – com Sebastian Wiedemann

[09/11] A linha e seus papéis: cartografias do desenho – com Edith Derdyk

[15/10] Oficina de poesia: O delírio da palavra – com Tatiana Fraga

[14/10] O rito de passagem das fotografias: reinvenção de memórias – com Sandra Lessa e professores convidados

[16/09] Conto de Fadas: Retorno ao País da Infância – com Marco Haurélio – 3º módulo

[01/09] Livro de Artista e suas extensões gramaticais – curso de extensão universitária com coordenação de Edith Derdyk