Ouvindo abraços, por Helô Beraldo

por Helô Beraldo (@baleialivros)

 

 

Ternura mudada em força.

A fraqueza geral do corpo, abandono, ternuras – transforma-se na força irresistível dos braços – em abraço, em atos fortes.

Eles reconduzem a uma fraqueza.

(Paul Valéry, Maus pensamentos & outros, editora Âyiné, 2016.)

 

Silencia.

O mundo tem se ocupado de diminuir nossa alma.

Respira.

Somos muito mais do que dizem que somos.

Vê.

Analisa com lupa o que merece ser visto, esse micromundo anônimo, desconhecido, que justifica toda a grandeza do universo, os mistérios da vida, a dor humana.

Escreve.

Caça histórias, escuta, recria, multiplica. Traz para perto o que está longe – o exílio, as dúvidas, as fogueiras, os atos e as palavras que nos formam, o que há de grandioso e de mesquinho nos seres humanos. Oferece a MEMÓRIA, esse tecido tramado de encontros e desencontros, essa peça que nos prega a um tempo outro, caminhado ou não, mas presente.

Ouve.

 

O convite de Eduardo Galeano (1940-2015), jornalista, escritor, pensador, narrador e caminheiro uruguaio, em seu O livro dos abraços, publicado no Brasil pela editora L&PM, em 1991. Põe-se sentado, ao lado dele, e o ouve narrar as histórias que ele foi coletando pelo mundo. Ouve os silêncios do branco da página ao fim de cada história e respira. Fecha o livro. Acredita “no livro, a partir da primeira página”, rouba suas palavras e diz que, embora não conheça aquele homem, acredita nele como se fosse seu sempre amigo. Imagina um mar de fogueirinhas multicores. Caminha. Abraça essas histórias. Conta as suas.

 

 

 

 

Cursos d'A Casa