Ouvindo abraços, por Helô Beraldo

por Helô Beraldo (@baleialivros)

 

 

Ternura mudada em força.

A fraqueza geral do corpo, abandono, ternuras – transforma-se na força irresistível dos braços – em abraço, em atos fortes.

Eles reconduzem a uma fraqueza.

(Paul Valéry, Maus pensamentos & outros, editora Âyiné, 2016.)

 

Silencia.

O mundo tem se ocupado de diminuir nossa alma.

Respira.

Somos muito mais do que dizem que somos.

Vê.

Analisa com lupa o que merece ser visto, esse micromundo anônimo, desconhecido, que justifica toda a grandeza do universo, os mistérios da vida, a dor humana.

Escreve.

Caça histórias, escuta, recria, multiplica. Traz para perto o que está longe – o exílio, as dúvidas, as fogueiras, os atos e as palavras que nos formam, o que há de grandioso e de mesquinho nos seres humanos. Oferece a MEMÓRIA, esse tecido tramado de encontros e desencontros, essa peça que nos prega a um tempo outro, caminhado ou não, mas presente.

Ouve.

 

O convite de Eduardo Galeano (1940-2015), jornalista, escritor, pensador, narrador e caminheiro uruguaio, em seu O livro dos abraços, publicado no Brasil pela editora L&PM, em 1991. Põe-se sentado, ao lado dele, e o ouve narrar as histórias que ele foi coletando pelo mundo. Ouve os silêncios do branco da página ao fim de cada história e respira. Fecha o livro. Acredita “no livro, a partir da primeira página”, rouba suas palavras e diz que, embora não conheça aquele homem, acredita nele como se fosse seu sempre amigo. Imagina um mar de fogueirinhas multicores. Caminha. Abraça essas histórias. Conta as suas.

 

 

 

 

Cursos d'A Casa

[09/11] Escutas radicais: ecologia de práticas e práticas em ecologia – com Sebastian Wiedemann

[09/11] A linha e seus papéis: cartografias do desenho – com Edith Derdyk

[04/11] Escritas de quarentena – com Tatiana Barbosa Cavalari

[28/10] Fantasia e design nos livros ilustrados como conceito e método – com Michaella Pivetti

[28/10] Narraturgia: de curtas-metragens a narração oral – com Gazel Zayad

[28/10] A potência da argila na vivência infantil – com Débora Amaral

[23/10] “Eu me lembro”: escrita de memórias em fragmentos – com Tatiana Barbosa Cavalari

[21/10] Maria Gabriela Llansol: fragmentos de um Cor’p’oema – com Janaina de Paula

[21/10] Poesia como ato político – com André Gravatá / 3ª turma

[20/10] Abrir-se para a escuta: de si e do mundo – com Adriana Friedmann

[15/10] Uma mala corpo casa para viajar – com Jullipop

[14/10] Construindo um livro-casa pop-up: a Engenharia de Papel em prol da narrativa – com Gustavo de Magalhães

[14/10] O rito de passagem das fotografias: reinvenção de memórias – com Sandra Lessa e professores convidados

[10/10] Oficina de colagem: O que é ser criança? – com Sofia Lemos

[10/10] De infância e nuvens: o contador de histórias e o imaginário infantil – com Giba Pedroza

[07/10] Dança da mão: desenho solto – com Biba Rigo

[06/10] Introdução à técnica do Papercutting/Kiriê – com Ariádine (2ª turma)

[02/10] Jornada de mulheres heroicas: histórias que precisamos contar / 3ª turma – com Yohana Ciotti

[01/10] Resolução de conflitos na sala de aula por meio das Assembleias Dramatizadas – com Ana Lucia Arbex

[01/10] Oficina de poesia: O delírio da palavra – com Tatiana Fraga

[01/10] A linha e seus papéis: indício, desígnio, anotação e acontecimento / 3ª turma – com Edith Derdyk

[30/09] Onde vive o movimento nas narrativas? A potência de conviver com as imagens e manter o movimento – com Melissa Migliori

[29/09] Narrando Infâncias – com Gazel Zayad

[24/09] Literatura da interioridade: reflexões sobre espiritualidade antiga – com Arturo Gamero

[16/09] Conto de Fadas: Retorno ao País da Infância – com Marco Haurélio – 3º módulo

[08/09] Mergulho na História – Linhas, agulhas e teares com Ana Luísa Lacombe

[08/09] Oficina de Criação de Livro Ilustrado – palavra e imagem, com Odilon Moraes e Carolina Moreyra

[01/09] Livro de Artista e suas extensões gramaticais – curso de extensão universitária, coordenação de Edith Derdyk

[12/08] Encontros com o Povo Verdadeiro – Angela Pappiani