Meu caderno de haikais, por Keila Knobel

 

por Keila Knobel

música para acompanhar a leitura:

https://open.spotify.com/album/2aZ4yE0Z7NUNPlLpGLgrqF?highlight=spotify:track:5OsmOC5J047Qrvu59JZiaq

 

Preciso contar que pensei em muitas coisas para escrever sobre o livro, suas tantas camadas verbais e tantas outras visuais e táteis. Mas depois de me deixar realmente penetrar por ele e pela música que escolhi para acompanhar esta escrita, meu desejo maior foi o de sentar-me à sombra de uma árvore, fechar os olhos a absorver a vida apenas com o pulmões. Não farei isso bem agora porque também é grande a vontade de partilhar essa experiência com você.

“A árvore desperta.

Cada broto é uma saudação.

Cumprimente-os também”, disse a mãe à Shigeki san.

“Tudo nasce, tudo começa outra vez”

Assim começa uma das estações do livro “Mi caderno de haikus”, uma preciosidade tecida em muitas e muitas camadas, a começar pelo título: um livro que é um caderno. Nele, mãe e filha caminham contemplando as estações do ano. A mãe guia a filha a perceber beleza e a simplicidade dos pequenos acontecimentos da natureza, mas numa “didática” que mimetiza o próprio haikai: transcendente e intuitiva, sem opiniões ou sugestões de reflexões e análises.

Entre um trecho e outro da narrativa, haikais clássicos acompanham propostas para que o leitor observe o acontecimento das gotas de chuva na janela, das cores e movimentos de um inseto, de uma fruta. Que se entregue ao momento, liste palavras, que lhes ofereça um haikai.

Texto que se acomoda em harmonia com a ilustração delicada de colagens, aquarela, carvão e lápis de cor que convidam o olhar, sem ocupar o silêncio que faz parte da obra.

Um haikai é o acontece agora e neste momento.

Bashô

 

 

“Mi caderno de haikus” foi escrito por María José Ferrada  e ilustrado por Leonor Pérez. Saiu em 2017 pela Editorial Amanuta, no Chile.

 

Cursos d'A Casa

[13/03/21] Correnteza: uma jornada de mulher em jogo – com Yohana Ciotti