“Deseje! Comande! Aqui você é senhora e rainha”, por Helô Beraldo (@baleialivros)

por Helô Beraldo

 

 

Era uma vez, uma aluna.

Era uma vez, uma professora.

Era uma vez, uma, duas, três, quatro aulas.

Era uma vez, sete contos de fadas.

Era uma vez, cinco Preciosas com nome e uma Anônima Preciosa.

Era uma vez, um tempo…

 

 

… o fim do primeiro mês de um ano diferente, em que o encontro de carne e osso e alma ainda era possível.

Saindo do mundo maravilhoso das aulas de Susana Ventura, eu embarcava no lançamento do livro Na companhia de Bela: contos de fadas por autoras dos séculos XVII e XVII, publicado pela editora Florear Livros, de Cassia Leslie, com projeto gráfico e ilustrações de Roberta Asse. Os contos de fadas foram recolhidos por Susana e traduzidos por Maria Valéria Rezende, pela própria Susana Ventura, por Caroline Rodovalho e por Maikon Augusto Delgado.

 

Capa do livro Na companhia de Bela: contos de fadas por autoras dos séculos XVII e XVII (imagem extraída do site da editora: https://loja.editoraflorearlivros.com.br/).

 

Encostada no batente da porta da sala de aula, fiquei observando a fila de autógrafos e o movimento das pessoas. Um livro de capa dura, com miolo em quatro cores, fitilho marrom, quase da cor da capa, fadas de feltro espalhadas pela sala e acompanhando quem estava presente, também, quem tinha participado da produção do livro – o amor estava no ar. Um “oi” para cá, outro “oi” para lá, ainda sob o batente da porta, converso rapidamente com Cassia Leslie, que me diz que se fosse para fazer um livro, tinha de fazer um livro dos sonhos. Concordei. Um livro, em qualquer tempo, surge de um se dispor a fazer nascer. É um acontecimento material com um pé no sonho.

E foi nesse lugar do sonho, do deslocamento para um mundo mais sensível, com seres encantados e mágicos, que fui parar ao abrir meu exemplar no ônibus (na real, ao exibi-lo, gosto de exibir meus livros). No caminho para casa, voltei para a infância, para dentro de uma biblioteca minúscula da escola, cercada pelo cheiro de álcool do mimeógrafo, pelas enciclopédias, pelos almanaques, pelos livros com capas holográficas tão legais para uma criança dos anos 1980… Da mesma maneira que fazia naquele tempo, só quis folhear o livro, seguir os seres encantados, brincar com eles, ler os infográficos para conhecer as histórias das autoras e a contextualização histórica, tudo bem resumido. Só quis colecionar pistas para desfrutar, depois, dos contos de fadas sentada na poltrona aqui de casa.

Neste primeiro volume da trilogia (estão previstos mais dois livros, oba!), estão presentes as escritoras francesas Jeanne-Marie Leprince de Beaumont (a Madame Leprince de Beaumont, autora de “A Bela e a Fera” e “Aurora Amada”); Marie-Catherine Le Jumel de Barneville (a Baronesa d’Aulnoy, autora de “Bela Bela ou O cavaleiro afortunado”); Charlotte-Rose de Caumont de La Force (a Madame de La Force, autora de “Salsita”); Marie-Jeanne Lhéritier Villandon (a Mademoiselle Lhéritier, autora de “Os encantos da eloquência ou Os efeitos da doçura”); Marie-Madeleine de Lubert (a Madame de Lubert, autora de “A princesa alfinete”); e uma Preciosa anônima (a Mademoiselle Anônima, autora de “O príncipe Arco-íris”). Foi difícil escolher um conto de que mais gostasse, mas em “A Bela e a Fera”, puxa!, é possível conversar com livros, fazer pedidos a eles, ser rainha, então, escolhi esta frase, quase um mantra para a atualidade, como minha preferida:

 

Essa é Jeanne-Marie Leprince de Beaumont, autora de “A Bela e A Fera”. Nesse conto, assim que Bela entra na biblioteca da Fera, ela lê, em um livro, escrita com letras de ouro, a seguinte frase: “Deseje! Comande! Aqui você é senhora e rainha”. Empoderamento, minha gente!

 

Como alguns dos desdobramentos da publicação da obra que gestaram no sonho – gestação desse encontro entre as três preciosas contemporâneas Cássia, Roberta e Susana –, Na companhia de Bela: contos de fadas por autoras dos séculos XVII e XVII ganhou o prêmio FNLIJ 2020 na categoria Tradução, Adaptação, Reconto (categoria criada especialmente para ter como categorizar esta obra), e, no dia 15 de março de 2021, a Faculdade de Letras da Unesp de Assis organizou e transmitiu, pelo YouTube,  uma palestra em que foi contada a história da feitura desse livro, mas que acabou sendo uma aula sobre  o tema. Para assisti-la, é só clicar logo aqui: https://www.youtube.com/watch?v=fPO_5mQIk6M .

 

Cursos d'A Casa

[13/03/21] Correnteza: uma jornada de mulher em jogo – com Yohana Ciotti

[09/03/21] Educação antirracista com histórias: mitos e contos africanos e afro-brasileiros – com Giselda Perê

[09/03/21] Ateliê de voz: escuta, experiência e criação – com Renata Gelamo

[09/03/21] Escreviver – com Lúcia Castello Branco

[08/03/21] A Linha e seus papéis – com Edith Derdyk