algo antigo, por Keila Knobel

por Keila Knobel

 

Num tempo marcado por desesperança, pela cultura do desamor e pela palavra carcomida por mentiras, a poesia é uma porta aberta, uma pousada hospitaleira onde podemos, talvez, curar algumas feridas. Foi nessa busca de um horizonte possível que encontrei o novo livro de Arnaldo Antunes.

Como contou o autor em entrevista de lançamento, o livro foi originalmente concebido com poemas escritos até 2019, mas foi remexido e ganhou um novo im-pulso durante o primeiro ano de reclusão da pandemia. Assim, incorpora – traz ao corpo concreto, do texto e do leitor, a intensidade das experiências.

Os poemas extrapolam duplos sentidos sonoros das palavras e exploram os sentidos visuais e espaciais das composições por diferentes caminhos que o olhar do leitor na página pode encontrar e significar. Chega a ser lúdico descobrir o engenho dessas construções que desafiam sua reprodução oral.

 

Um livro para brincar, para pensar e sentir, para encarar o tempo, e para revisitar.

“ou você entra ou você sai

ou se concentra ou se distrai

(…)

ou você vem ou você vai

ou adiciona ou subtrai

– não dá para ficar parado aí na porta.”

 

algo antigo

Arnaldo Antunes

Cia das Letras

2021

Cursos d'A Casa

[13/03/21] Correnteza: uma jornada de mulher em jogo – com Yohana Ciotti

[09/03/21] Educação antirracista com histórias: mitos e contos africanos e afro-brasileiros – com Giselda Perê

[09/03/21] Ateliê de voz: escuta, experiência e criação – com Renata Gelamo

[09/03/21] Escreviver – com Lúcia Castello Branco

[08/03/21] A Linha e seus papéis – com Edith Derdyk