[Livros à mão] Entre as Vozes da Tradição, por Giuliano Tierno

por Giuliano Tierno

 

Aparece assim na introdução do livro:

Quem conta um conto que é parte

De nossa ancestralidade

Difunde, divulga a arte,

Velha como a humanidade.

 

Vozes da Tradição escrito por Marco Haurélio e ilustrado por Luciano Tasso com colaboração de Lucélia Borges é desses livros imprescindíveis para quem quer mergulhar na alma do povo brasileiro e nas memórias (reminiscências?) dos nossos velhos. 

Não tem sido politicamente correto usar o termo velho. Tampouco o autor explicita esse termo ou que essas vozes são de velhos. Mas infiro que se trata de vozes velhas. 

Mas, por que insisto em dizer, ainda que não seja o vetor do livro, falar sobre o velho? 

É que o velho é o sentido do novo, é a direção à qual todas e todos caminharemos e o caminhante precisará dessa aliança para seguir no caminho. 

 

Quando ignoramos os velhos e as suas lembranças, criamos um problema sério para nós os caminhantes. 

 

Marco Haurélio há muito tempo dedica-se a escutar nossos contadores de histórias que têm na memória a resistência das marcas da humanidade mais longínqua. Marco Haurélio, marca essas Vozes nomeando-as como nossa Tradição.

Etimologicamente a palavra tradição tem dentro dela também a palavra tradução, traducere do latim ou tradere, que também nos deu a palavra traição. Tradição, tradução, traição… receber o passado para atualizar o presente com vistas a deixar o futuro na sua surgência libertária.

Sem tradição não há presentes e futuros possíveis.

Marco em Vozes da Tradição é uma espécie de arqueólogo e de astronauta. 

Explico: como arqueólogo escava as memórias mais longínquas das gentes mais bonitas desse país; como astronauta lança no espaço e no tempo do futuro de agora, contos de animais, contos maravilhosos, contos religiosos, contos novelescos, contos do ogro estúpido, contos jocosos, contos de fórmulas… Nós seres desmemoriados das cidades siderais, temos a chance, nos ofertada por esse generoso pesquisador/autor/escritor, de recolher no nosso cesto esses pedaços densos de humanidade para refazermos nossa civilização.

Fica o convite.

 

Por fim, escutamos na Voz das Vozes do próprio Marco Haurélio:

“Se a literatura dos antigos salvou do esquecimento os deuses e heróis, os contos de tradição oral, por outro lado, preservam episódios e estruturas arcaicas, informações sobre ritos e mitos, nos conectando a um tempo que, talvez, somente nos sonhos e nos domínios do inconsciente ousássemos perscrutar”. (pp. 9) 

Excelente leitura… tudo ali é presente: em duplo sentido. 

 

Vozes da Tradição

Fortaleza 2018

Editora IMEPH

Autor: Marco Haurélio

Ilustrações: Luciano Tasso

Colaboração: Lucélia Borges

Outras Palavras

Cursos d'A Casa