Conto Tradicional: Viagem de Retorno ao País da Infância - II Módulo

Módulo 2

1. Sobrevivências mitológicas e ritualísticas nos contos populares – 09/09 – das 19h às 21h30

O russo Vladímir Propp vislumbrou nos contos maravilhosos informações acerca de ritos e mitos há muito desaparecidos, numa perspectiva histórica que não fecha os olhos às mudanças e aos estágios pelos quais passam as narrativas populares, mesmo as nascidas em tempos arcaicos. Com base no clássico estudo Raízes históricas do conto maravilhoso, revisitaremos alguns ritos de passagem e voaremos ao Reino dos Confins, o reino do Vai-Não-Torna das histórias brasileiras. Passaremos, ainda, alguns dias – e noites! – na cabana da ogra, ou na casa do Bicho de Sete Cabeças, do Rei do Frio, e mergulharemos no poço de Dona Holle, símbolo do rito de passagem da infância para a idade adulta.

 

 


2. Cordel: a poesia bárdica do Brasil – 07/10 – das 19h às 21h30

A literatura de cordel do Nordeste, com suas obras mais importantes e sua filiação à poesia épica e às canções de gesta, é o tema deste encontro. Por que o Brasil se tornou o maior celeiro da poesia popular em todo o mundo? A simbologia do Pavão Misterioso, emblema maior do cordel nordestino e o mais universal dos romances rimados. Quais são os livros do povo e por que são assim chamados? Marco Haurélio, poeta e pesquisador da Literatura de Cordel, apresenta as obras fundamentais, os cordéis fundadores, os autores e autoras que fazem do cordel brasileiro a mais importante expressão da poesia popular em todo o mundo.

 

3. Luzia Teresa: muita história pra contar – 28/10 – das 19h às 21h30

Definida pelo folclorista Altimar Pimentel como a maior contadora de “estórias” de que se tem notícia, a paraibana de Guarabira, Luzia Teresa dos Santos (1909-1983) era um fenômeno. Dos 242 contos coletados pelo Núcleo de Pesquisa e Documentação da Cultura Popular da Universidade Federal da Paraíba, apenas sendo 146 foram registrados em três volumes, intitulados Estórias de Luzia Teresa, e publicados pela Editora Thesaurus, de Brasília.

 

 

 

 

4. De Ródope a Maria Borralheira: as metamorfoses da Cinderela – 04/11 das 19h às 21h30

Cinderela (ATU 510A) é, sem dúvidas, o conto popular mais difundido no mundo. Charles Perrault, com sua Cendrillon, e os Grimm, com Auschenputtell, difundiram as versões mais conhecidas da história. É a Gata Borralheira na tradição oral de Portugal, Maria Borralheira nas coletâneas brasileiras, a história se filia a uma antiga lenda registrada pelo grego Heródoto, o Pai da História, cinco séculos antes de Cristo. Maria Borralheira nos contos brasileiros, aparece desde a coletânea de Silvio Romero, no fim do século XIX, e, mais recentemente, em um livro que reúne 20 versões baianas, Cinderela nos entrelaces da tradição, base da dissertação de mestrado da professora Edil Costa.

 

 

5. É o Cão! O motivo do demônio logrado nos contos populares e no cordel e O medo e o mal nos contos de fadas – 18/11 – das 19h às 21h30

No Índice de motivos dos contos populares, o Sistema ATU, os contos do Ogro (Diabo) estúpido vão do nº 1000 ao 1199, incluindo contratos de trabalho, pactos, apostas improváveis e burlas maldosas. No Brasil, uma estranha convergência transforma o gigante, adversário do herói picaresco, em fazendeiro nas facécias protagonizadas por Pedro Malasartes. Há, entre vários povos, a premissa de que os espíritos podem servir aos seres humanos, por obrigação ou gratidão. Esta é a premissa dos contos em que há um pacto, consciente ou não, com o espírito do submundo. Câmara Cascudo, na introdução ao seu livro Contos Tradicionais do Brasil, assim se refere ao Ciclo do demônio logrado: “Nos contos em que aparece o Diabo este perde infalivelmente. A Morte, ao contrário, vence. Debalde o homem procura enganar, utilizando todos os recursos da inteligência, o pagamento fatal da dívida”.

Todos nós sentimos medo. Medo da morte, da vida, do diabo, do bom Deus, de fantasmas, de bruxas. Medo das encruzilhadas, das árvores amaldiçoadas, dos animais predadores. Medo da noite e do que ela oculta. Medo dos outros e de nós mesmos. Em muitos contos e lendas, o medo dá o mote. O medo está ligado ao mal, mas este é mais um problema metafísico, interpretado e reinterpretado ao longo dos tempos. Nos contos de fadas, heróis e heroínas precisam superar o seu medo para iniciar sua jornada, que culmina na derrota do mal (ou de um de seus agentes).

 

SUGESTÕES DE LEITURA

 ALCOFORADO, Doralice. Belas e feras baianas: um estudo do conto popular. Salvador: Fundação Pedro Calmon, 2008

AMARAL, Amadeu. Tradições populares. São Paulo: Hucitec, 1976. ARAUJO, Alceu Maynard. Cultura popular brasileira. 3ª ed. São Paulo: Martins

Fontes, 2007.

BRANDÃO, Théo. Seis contos populares do Brasil. Maceió: MEC-SEC-Funarte, Instituto Nacional do Folclore, ufal, 1982.

CALVINO, Ítalo. Fábulas italianas. Tradução de Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CARDIGOS, Isabel; CORREIA, Paulo. Catálogo dos Contos Tradicionais Portugueses (Com as versões análogas dos países lusófonos). CEAO da Universidade do Algarve / Edições Afrontamento: Portugal, 2015.

CASCUDO, Luís da Câmara. Contos tradicionais do Brasil. 13. ed. São Paulo:

Global, 2004.

COELHO, Adolfo. Contos populares portugueses. Portugal: Compendium, 1996.

COSTA, Edil. Cinderela nos entrelaces da tradição. Salvador: Fundação Cultural, EGBA, 1998.

GOMES, Lindolfo. Contos populares brasileiros. 3. ed. São Paulo: Melhoramentos, 1965.

GUIMARÃES, Ruth. Calidoscópio: a saga de Pedro Malasartes. São José dos Campos: JAC Editora, 2006.

_____________. Os filhos do medo. Porto Alegre: Editora Globo, 1950.

HAURÉLIO, Marco. Contos e fábulas do Brasil. Classificação e notas: Paulo Correia. São Paulo: Nova Alexandria, 2011.

_____________. Contos folclóricos brasileiros. Classificação e notas: Paulo Correia. São Paulo: Paulus, 2010.

_____________. O príncipe Teiú e outros contos brasileiros. São Paulo: Aquariana, 2012.

_____________. Vozes da tradição. Fortaleza: IMEPH, 2018.

HAURÉLIO, Marco, Wilson Marques. Contos e Lendas da Terra do Sol. São Paulo: Paulus, 2019.

NASCIMENTO, Bráulio do. Estudos sobre o conto popular. São Paulo: Terceira Margem, 2009.

2006.

PIMENTEL, Altimar. Estórias de Luzia Teresa (Três volumes). Brasília: Thesaurus, 1995.

_____________. Estórias do Diabo. Brasília: Thesaurus, 1995.

PROPP, Vladimir. As raízes históricas do conto maravilhoso. 2. ed. Tradução de Rosemary Costhek Abílio. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ROMERO, Sílvio. Contos populares do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia, São Paulo: Edusp, 1985.

XIDIEH, Oswaldo Elias. Narrativas pias populares. São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros – USP, 1967.

Quem é o professor?

Marco Haurélio é formado em Letras Vernáculas pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Desde 2005, desenvolve um trabalho de recolha, catalogação, classificação e difusão de gêneros da tradição oral brasileira, com destaque para contos e cantos populares. Autor, pesquisador e divulgador da literatura de cordel, tem mais de 40 títulos publicados, a maior parte dedicada a este gênero. Foi curador do Espaço do Cordel e do Repente na Bienal de São Paulo em 2016 e 2018. Também é o idealizador e curador do projeto Encontro com o Cordel, realizado pelo SESC 24 de Maio. Profere palestras e ministra oficinas e cursos sobre o cordel e o conto popular em feiras, bienais e espaços culturais. Vários de seus livros foram selecionados pela Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) para o Catálogo da Feira do Livro Bolonha e outros tantos, selecionados em diversos programas de governo. Em 2017, foi finalista do Prêmio Jabuti com a obra Cordéis de Arrepiar: Europa (IMEPH).

Quando
9/9, 7/10, 28/10, 4/11 e 18/11
segundas, das 19h às 21h30
Público

Geral

Turma

25 vagas

Investimento

R$50,00 por encontro
R$ 200,00 – todos os encontros
em até 4x sem juros pelo PagSeguro

 

Outros cursos d'A Casa

[31/10] Tecendo saberes e fazeres com crianças ao redor do mundo com Marie Ange Bordas

[21/10] Uma conversa com a trupe Carroça de Mamulengos – saberes de uma família brincante

[26/10] Como viver? com Gonçalo M. Tavares

[19/10] Voz na Técnica Espanhola: excelência na respiração, aumento de volume e dicção, com a profa. Dra. Lucila Tragtenberg

[19/10] RETRATOS DE PANO com estúdio Pé-de-ovo

[14/10] MINIESCULTURAS e VASINHOS com estúdio Pé-de-Ovo

[04/10] Lançamento do Livro “Lendas e Fábulas do Brasil” de Ruth Guimarães

A Arte de Contar Histórias em Processos Educacionais: Ensino formal e não formal 1ºsem/2020

Caminhada como método para a arte e educação – 1ºsem/2020

O livro para a infância: processos de criação, circulação e mediação 1ºsem/2020

Narração Artística: Caminhos para contar histórias em contexto urbano – 1ºsem/2020

[26/09] POESIA * CORPO * MEMÓRIA: encontro para educadores

[09/10] Cantar o jogo: escuta, criação e improvisação em voz

[01/10] Mediação de leitura e fruição estética Com Hanna Araújo

[22/10] Ateliê de voz: espaço para escutar, respirar e encontrar a voz própria, com Renata Gelamo

[20/09] Lançamento do livro “Vozes da Tradição”

[19/09] ENCONTRO ABERTO: POSSIBILIDADES DA NOVELA GRÁFICA, COM MARÍA LUQUE

[13/09] MAR, MAPA, MEMÓRIA: OFICINA DE POESIA E IMAGEM, COM ROSINHA

[08/10] Design é fluxo: fundamentos de teoria e prática, com Raquel Matsushita

[06/09] Apresentação musical – UMA

[03/10] MATERIALIDADE É LEITURA? com Camila Feltre e Cristiane Rogerio

[10/09] “Experiências de escuta em comum” com Helena Freire Weffort

[25/10] Infâncias: Raízes multiculturais infantis: histórias, memórias e a importância das biografias

[27/09] Infâncias: entrelaces entre mitologia, filosofia e espiritualidade

Processos de Criação e Bordaduras com Eliane Tavelli

[02/09] CRIANDO NARRATIVAS VISUAIS: imersão Com ALINE ABREU

À escrita: experimentos em ateliê e acompanhamento de projetos com Ângela Castelo Branco

[21/09] Sábado em Casa: Histórias à volta d’A Casa

[24/09] Gestos de Escrita

[02/08] Lançamento livro : Imagino Veneza de Julia Panadés

[28/11] Seminário: Educação e Democracia

[03/08] Bordar é um verbo destinatário

[04/08] Se os Tubarões Fossem Homens: conversa sobre Brecht, relações de poder e livro ilustrado

[22/07] Sessão de Narração de Histórias com Mirta Portillo

[18/07] Comemoração quatro anos d’A Casa Tombada!

[06/08] Quadros sonoros – criação musical a partir da imagem, com Tarita de Souza

[13/08] Ateliê de voz: espaço para escutar, respirar e encontrar a voz própria, com Renata Gelamo

[13/07] Encontro de Mulheres Indígenas

[19/07] Documentário “ECO – Cantos da Terra”

[15/07] A paixão pela palavra – Narrar, escrever e ler para pertencer ao mundo com Kiara Terra

[30/07] Oficina de Asalato, com Daniela Alarcon e Mauro Tanaka

[27/07] Bordado em Livro Sanfona com Priscilla Ballarin

[24/07] Materialidade e Leitura com Camila Feltre e Cristiane Rogerio

[26/07] Lançamento da 3ª Edição da Revista Linguará – C

[22/07] Oficina de Criação de Livro Ilustrado – Palavra e Imagem, Com Odilon Moraes e Carolina Moreyra

[18/09]Tramas e Fios com Ana Luísa Lacombe e Eliane Tavelli

[21/07] Palco aberto “Objetos na Performance Narrativa”

[21/07] Dom Quixote, o cavaleiro sonhador

[18/09] Tramas e Fios com Ana Luísa Lacombe e Eliane Tavelli

[15/07] As Chaves Para Contar Histórias com Ana Luísa Lacombe

[06/07] Workshop de ilustração em escultura de papel

[28/06] Show “Mensagem” de Heloisa Bonfanti

[12/09] Resolução de conflitos_Assembleias Dramatizadas e Formação de Grupo

[27/07] A arte de contar histórias na vida de todo dia

[04/06] Ateliê de Voz: espaço para escutar, respirar e encontrar a voz própria

[06/06] O papel da dimensão estética na Educação

[28/05] Vivência Circular: Potência, Poder e Punição

[05/05] Lançamento do livro “O Grande Pato”

[26/04] Uma conversa sobre poesia e pós-poesia com Carlito Azevedo

[29/04] O Objeto Livro: História e Contemporaneidade

[26/04] Sessão Cinema: “Impressão Minha”, documentário sobre publicações independentes com debate

[08/05] A paixão pela palavra – Narrar, escrever e ler para pertencer ao mundo com Kiara Terra

[20/07] II Ciclo “Objetos na Performance Narrativa”

Conto Tradicional: Viagem de Retorno ao País da Infância

[07/05] Cantar a Voz com Nani Barbosa e Renata Gelamo

[06/05] Histórias de Boca: Contos Tradicionais na Educação Infantil

Processos de Criação e Bordaduras

[05/09] Edição de livros – caminhos possíveis com Helô Beraldo

GRUPO DE ESTUDOS FILOSÓFICOS com Luiza Christov

Encontros com o Povo Verdadeiro com Angela Pappiani

Para narrar com imagens é preciso saber desenhar? Com Aline Abreu

Histórias e Culturas Afro-brasileiras e Indígenas na Educação – 2º sem/2019

Narração Artística: Caminhos para contar histórias em contexto urbano – 2ºsem/2019

Caminhada como método para a arte e educação

A vez e a voz das crianças: escutas antropológicas e poéticas das infâncias