cento e quinze dias, por Lucimar Belo

por Lucimar Belo

 

 

cento e quinze dias

 

a palavra coração

tem cor e

ação

 

a palavra coração

pulsa

pula

sustenta

cuida

 

o coração das mães

dos filhotes

dos bichanos

 

o coração fogo fátuo

o coração das lentidões

 

o coração ora as horas

das cores

e

das ações

 

o coração é igual a  ovos  cheiros  vazios

o coração é igual a  pulsos  ecos  sustâncias

 

a palavra cérebro tem é! pensa e duvida

um “é” quase ébrio, em tempos de quarentenas fritas

 

a palavra intestino tem “ino” sem “h”

em quarentenas não cabem hinos

 

em 115 dias cabem os sinos do ar dos mares das florestas dos vulcões

cabem a vida de cada pessoa e das pessoas

 

cabem o coração e o cérebro e o intestino e as engenhocas do corpo

e as peles que pulsam em continuidades e enredam a vida coletiva

 

cento e quinze dias 2020

 

 

 

 

Lucimar Bello. Nascida nas Minas Gerais. Vive e trabalha em São Paulo, Brasil. Artista visual, desenhos, assemblages, instalações, vídeos, performances, livros de artista. Escritora. Exposições individuais e coletivas no Brasil, Argentina, Chile, Cuba, Japão, China, Portugal, Espanha, França. Pós Doutora em Comunicação e Semiótica, PUC-SP. Pós Doutora no Núcleo de Estudos da Subjetividade, PUC-SP. Mestre e Doutora em Arte Educação ECA-USP. Profa. Titular Aposentada UFU-MG.

 

Cursos d'A Casa