Palavras d'A Casa BLOG
Christine Floating in the Sea, St Barth’s, 1999Photography by Nan Goldin I
16 fev: [Poemas à porta] Embriaguez, por Arturo Gamero

Na antiguidade a embriaguez era o signo da vertigem sagrada que coroava o homem com a luminosidade diáfana do eterno, o drogado era investido de um êxtase profético que o colocava no epicentro do culto a transmissibilidade da palavra, isto é, o enigma da palavra migratória. A embriaguez era um estado mágico em que as formas divinas assumiam a coloração dos fenômenos humanos.

Captura de Tela 2021-02-11 às 07.56.57
11 fev: [Livros à mão] A partilha do incomum – ou a invenção constante é uma ave plena, por Renata Penzani

Em outubro, eu li uma matéria na Revista Quatro Cinco Um chamada Partilha do sensível , que dizia do quanto nós perdemos a capacidade de vivenciar coletivamente o absurdo. Estamos já quase na metade de fevereiro e eu ainda não esqueci essa ideia da incompreensão como uma experiência partilhada. Eu tinha acabado de começar a ler o livro Partilha do incomum, e me pareceu que os dois textos conversavam, não só pelo nome, mas pela intenção, mesmo sem nunca terem se visto.

Imagem1
10 fev: [Saberes d’A Casa] Para um Laboratório da fantasia, por Michaella Pivetti

No final do ano passado (o fatídico ano de 2020), com uma turma “pioneira”, em parceria com A Casa Tombada e a educadora Camila Feltre, comecei a construção de uma espécie de “laboratório da fantasia” — não para fugir da realidade, embora isso, para alguns, possa soar como uma proposta bem atraente — mas, ao contrário, para tomar consciência das potencialidades estéticas do pensar/fazer, de como construir coisas novas por meio de “ideias estéticas”: formas criativas de narrar, de provocar o riso, de olhar para os objetos, para as pessoas, seus hábitos, peripécias e outras balbúrdias.

NB 1
09 fev: [Poemas à porta] Nuvens caligráficas à escuta do mundo – sobre, a partir e com a poética de Natalia Barros, por Edith Derdyk

Tal paisagista, Natalia Barros, observa o comportamento dos fenômenos naturais dando voz à escuta do mundo. Das experiências intensas e atuações intensivas de Natalia performando a promessa da oralidade e musicalidade da poesia, palavras foram esculpidas, entoadas, modulando melodias, modelando paisagens sonoras em formas, ritmos, espessuras, dinâmicas. As vozes do mundo na voz da poeta são caligrafadas no ar, feito nuvens ornamentais, nuvens eternamente mutantes.

_MG_7237
03 fev: [Saberes d’A Casa] Sentir o texto, por Angélica de Almeida e Ivy Ota Calejon

Será que ler palavras escritas com a caligrafia, que é própria de cada pessoa, é a mesma coisa que ler palavras digitadas, que estão quase sempre no mesmo formato e que sem assinatura nem sequer sabemos quem escreveu? Como professora há quase 20 anos, muitas vezes recebi atividades sem nomes e muitas vezes as identifiquei pela letra já conhecida por mim daqueles/as estudantes. Trabalhos digitados, sem nome, não permitem isso…

vicuna capa
02 fev: [Poemas à porta] PALAVRARmais, por Natália Barros

O desgaste político-miliciano parece querer sequestrar a linguagem,
que deixa de criar significados para repetir infinitamente um retorno
ao estéril – memes – do mesmo. Sob pressurização, sem espaço, sem entrelinhas. Zoom-Zumbidos. Burburinho-Bárbaro. Tagarelar- Babélico. As palavras que se instalam na linha de front, nas barricadas, são palavras roubadas. Palavras alinhadas. Palavras de prontidão. Palavras à serviço. Palavras de Ordem. Progressistas. Aliciadas. Alistadas. Palavras em linha de produção. Palavrarmada. Palavraria. Palavrório. Palavrices. Palaviral. Palavranão. Palavras estado de emergência?

IMG-5640
28 jan: [Livros à mão] Meu caderno de haikais, por Keila Knobel

Preciso contar que pensei em muitas coisas para escrever sobre o livro, suas tantas camadas verbais e tantas outras visuais e táteis. Mas depois de me deixar realmente penetrar por ele e pela música que escolhi para acompanhar esta escrita, meu desejo maior foi o de sentar-me à sombra de uma árvore, fechar os olhos a absorver a vida apenas com o pulmões.