Nascer ao redor de uma Breve cartografia de uma dança de desterro

 

por Ângela Castelo Branco

 

Quando uma escrita se faz urgente, nasce um texto.

Quando um movimento interrompe o cotidiano, nasce uma dança.

E quando a escrita e a dança procuram-se mutuamente? E quando uma dança solicita uma escrita e uma escrita solicita uma dança? Nasce um livro, nasce uma parceria entre editoras. Nasce uma amizade, um diálogo. Nasce muito.

Nasce o que antes não existia. E perceber o que antes não existia é sempre da ordem do gesto. Gerere. 

O livro Breve Cartografia de uma dança de desterro nasceu de uma dissertação de mestrado de Talita Vinagre, no Programa de Estudos Pós-graduados em Ciências Sociais da PUC-SP, orientado por Silvana Tótora.

cerca de seis anos a autora vem escutando esse texto dissertativo a fim de transformá-lo em livro, a fim de escutar o que esse mergulho, essa pesquisa, essa intimidade com o estudo e entrega à obra de Marta Soares ainda poderia lhe(nos) dizer. Trata-se de um movimento não previsível. O roteiro que geralmente esperamos é o da defesa de uma dissertação e, na sequência, elaboração de artigos e uma publicação  tal e qual. Mas Talita escolheu perceber o seu mestrado como um texto ainda em aberto, ainda porvir,  cheio de possíveis desdobramentos, como matéria de invenção.  

Pode uma dança escrever? Pode alguém escrever como quem dança? Pode. Entre apagamentos, silêncios, cortes: escrever à mão, traçar, sobrepor diário, ensaio, escrita poética, roteiros, imagens. A criação exige paciência inaugural. Uma paciência espantosa, como disse Blanchot.

Assim, a editora d’A Casa Tombada e a baleia livros (criada pela Helô Beraldo que escreve nesse nosso blog) se juntaram para materializar essa escritura. Foi um processo de quase dois anos de elaboração. Como é demorado um nascedouro. Como é saborosa uma demora.

E, como nascidas estamos, no dia 26 vamos lançar, comemorar, conversar, dançar esse livro. Às 19h. Conversaremos com Clara Gouvea (dançarina), Emilio S. Cordeiro (dançarino), Lucimara Rett (Prof. da UFRJ),  Marcelo Ariel (poeta), Silvana Tótora (prof. pós PUCSP) e Auber Bettinelli (ator, artista-educador, autor de livros didáticos e atua no coletivo Zebra5 de arte e educação.

 

 

 

Sobre a autora da Breve cartografia de uma dança de desterro:

Talita Vinagre é bacharel, mestre e doutoranda pelo Programa de Estudos Pós-graduados em Ciências Sociais da PUC-SP. Artista-educadora na área de Dança e Reeducação do Movimento no Espaço Cria Saúde (SP). E propositora do Cantar e Brincar juntes, atividade voltada para crianças da Escola da Arte do Ser Cantante.

 

 

 

 

 

 

 

Este gesto conta também a boa notícia que se abre: a parceria entre a editora d’A Casa Tombada e a baleira livros. (@baleialivros)

Cursos d'A Casa

[31/07/21] Bate-papo: Paraskeué e os processos de cura – com Flávio Fêo e Naine Terena

[27/07/21] Contar e Visualizar: Transpondo as Imagens para o Corpo e a Palavra – com Simone Grande

[27/07/21] Poesia marginal e periférica – com Jéssica Balbino

[27/07/21] Mergulho na História: o Lobo – com Ana Luísa Lacombe

[26/07/21] O ovo, a tartaruga e a noite: mitos de origem e o gesto criativo – com Ana Gibson e Juliana Franklin

[23/07/21] Uma leitura indígena sobre o Pensamento de Fanon – com Geni Núñez

[22/07/21] #artistaDEFpresente: novas perspectivas sobre o corpo com deficiência – com Estela Lapponi

[21/07/21] Estudos para nascer palavra – com André do Amaral

[21/07/21] Poéticas caiçaras: memórias subterrâneas e oralidade pulsante – com Janaína de Figueiredo

[19/07/21]Conversas ao pé do fogo. Viver e contar: a maravilha dos mundos – com Mara Vanessa