[A voz d'A Casa] Dedos criam orelhas, por Ângela Castelo Branco

por Ângela Castelo Branco

O papel da orelha na escuta é visível. Sabemos. Por seu desenho de concha, transporta e amplifica as ondas sonoras até o conduto auditivo (depois disso, muita coisa acontece). Apêndice posicionado em cada lado da cabeça, cartilagem altamente flexível e proeminente, segue rodeada por carne, pele e muita penugem misturada com cera.

Além de acabar com a monotonia dos cabelos, o que chama atenção é que as orelhas parecem ter uma intimidade fundamental com as mãos. Ajudam a concretizar algumas palavras e também auxiliam na educação delas.

Explico melhor:

O movimento de pinça (indicador e polegar) segurando lóbulo de uma das orelhas: indica que algo muito de delicioso aconteceu e é preciso dizer a alguém.

Mãos mais velhas pinçando a parte superior de uma orelha mais nova: lembrança de que já fomos crianças.

Mãos em forma de concha em uma ou nas duas orelhas de uma só vez: somos todo-ouvidos.

Mãos tapando as orelhas: a voz interior tem um som muito maior que a voz exterior, que não posso suportar.

Dedo indicador para cima e para baixo dentro do pavilhão auricular: algo me coça e quer nascer na região da garganta.

E, por fim, o maior indício da função educadora das orelhas é a relação específica que ela mantém com os dedos indicadores de ambas as mãos. Suas depressões e relevos em forma de búzio, fossa, cuia, criam rotas por onde os dedos aprendem a caminhar em “s”, experimentando uma pedagogia da curva.

Após passar pelas orelhas, os indicadores, por fim, passam a duvidar da necessidade de apontar ou acusar o outro como primeira opção. Preferem dançar, preferem entrelaçar-se.

Passam a cutucar as pontas da página enquanto escutam o texto.

E algo incrível acontece: dedos criam orelhas. No papel.

Cursos d'A Casa

[12/08] Encontros com o Povo Verdadeiro – Angela Pappiani

[08/08] Oficina de colagem: Álbum de família – com Sofia Lemos

[03/08] A linha e seus papéis: indício, desígnio, anotação e acontecimento / 2ª turma – com Edith Derdyk

[03/08] Narração Artística: Conversas sobre os paradoxos no ato de contar histórias nas cidades – com Giuliano Tierno

[25/07] Ateliê de vídeo para contar histórias – com Yohana Ciotti

[24/07] Jornada de mulheres heroicas: histórias que precisamos contar – com Yohana Ciotti

[23/07] A Escritura do Desastre – com João Gomes

[21/07] Narrativas Adormecidas: O rito de passagem das fotografias – com Sandra Lessa

[15/07] Contar e Visualizar: Transpondo as Imagens para o Corpo e a Palavra – com Simone Grande

[13/07] Introdução à técnica do Papercutting / Kiriê – com Ariádine

[09/07] Conto de Fadas: Retorno ao País da Infância – com Marco Haurélio – 2º módulo

[08/07] Contar histórias, reinventar mundos – com Emilie Andrade

[02/07] Que coisa incrível é um livro: história, criação e infâncias – com Cristiane Rogerio e Camila Feltre

[01/07] Diálogos acerca do Bem e do Mal nos Contos Tradicionais – com Kelly Orasi

[01/07] A linha e seus papéis: indício, desígnio, anotação e acontecimento – com Edith Derdyk

[29/06] Mediação em Leitura Literária: uma conversa sobre Direitos Humanos – com Penélope Martins

[25/06] O Caderno Como Lugar de Existência – com Renata Stort

[25/06] Dinâmica das artes no Sul-Sul: Brasil e África do Sul – com Luciara Ribeiro