A Casa-Nuvem

Desde o dia 12 de março A Casa Tombada ganhou um novo nome, um novo habitar: A Casa-Nuvem. Em meio a muitas dúvidas e receios, o desafio nos foi (im)posto: era preciso caminhar por entre a própria névoa.

Brincar de imaginar desenhos entre as nuvens no céu azul já havíamos feito. Olhar um pedaço de nuvem e ter vontade de comer algodão-doce também.

Andar com a cabeça por entre elas, nem se fale.

Mas pisar no branco, prosseguir mesmo sem enxergar nada, ter apenas a confiança de ir, com a atenção de um passo por vez e fazer-se junto, isso foi, de alguma forma, novo.

E por falar em forma, quando viajamos pelo ar e nos deparamos com uma turbulência, percebemos que as nuvens possuem muita, muita materialidade.

Assim como na tela de computador que chamamos a priori de lisa que, quando precisamos desesperadamente encontrar alguma textura, ela aparece.

Seguimos sem poder ver para onde nos leva o próximo passo. Seguimos pelo desejo de seguir.

Entre o deslizar e a fricção. O peso e o véu.

A única certeza que se apresenta que é da natureza da nuvem a instabilidade, o mover-se.

Assim como nunca precisamos tanto do estudo como ponto de contato entre as substâncias vivas.

Aqui, recolhemos alguns fragmentos de textos por onde transitamos nesses tempos difíceis: muito próximo da morte, ainda assim estudar e desejo de vida.

desejos de vida

O desejo de vida

o medo da morte

Muito perto da morte

ainda assim estudar

Ainda assim estudar