Estudos para nascer palavra – com André Amaral

Sobre o curso

“Há que apenas saber errar bem o seu idioma”

Manoel de Barros

 

Estudos pra nascer palavra” é o enunciado que designa um conjunto de práticas de escritura poética que visam a deselitização desses estudos e a consciência do ato de escrever como ação que não segmenta corpo/mente. A proposta do curso é seguir o conselho do poeta Manoel de Barros e desfazer os costumes das palavras por meio de atividades de criação literária que, para além de técnicas, trabalho o vocabulário da experiência de cada participante.

O objetivo é trazer um ponto de atenção sobre os usos que fazemos da escritura e como eles demonstram uma relação construída com este saber durante o período de escolarização, visando ressignificar a memória em relação a este saber basal na construção do conhecimento humano.

Na oficina, ao pensarmos juntos o que é a escrita, chegamos a memória que carregamos em relação a esse saber. Esta memória, geralmente, é negativa, carregada de traços que associam o ato físico da escrita a uma sensação de desconforto, de stress, como quem faz uma prova na qual não se sente preparado. Assim condiciona-se a mente a relacionar a escrita a um incômodo. Ao fazer uso da escrita somente em suas funções utilitaristas, de avaliação e registro, tende-se a considerá-la como um saber que não diz respeito à capacidade expressiva, reduzindo sua potencialidade. Os encontros abordam a produção de textos como uma ação humana que realizamos mentalmente de forma ininterrupta e defende que precisamos conscientizar a existência desse processo cognitivo e escolher um ponto de atenção, um cisco que nos perturba ou encanta, para que movidos por esta inquietação possamos elaborar uma escritura que nasce de um estado atento e não de um esforço mental por buscar dispendiosamente palavras que já se excedem em nosso dicionário mental.

 

Percurso das aulas

Encontro 1 (21/7)
A palavra como experiência; autobiografia sensorial.

Encontro 2 (23/7)
A máquina de fotografar insignificâncias; desenhos verbais.

Encontro 3 (28/7)
O professor de agramática, errar bem o idioma.           

Encontro 4 (30/7)
Transver, o olhar da imaginação que reinventa o mundo.      

 

Bibliografia

ADICHIE, Chimamanda. O perigo da história única. Tradução Julia Romeu. São Paulo. Cia das Letras, 2019.

ASSARÉ. Patativa. Cante lá que eu canto cá – Filosofia de um trovador nordestino. Rio de Janeiro. Ed. Vozes, 7° edição, 1989.

ANDRADE, Carlos Drummond de. A educação do ser poético. Publicado no Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 1974.            

Antologia poética. Rio de Janeiro, Editora Record, 52°edição, 2003.                

BARROS, Manoel. Poesia completa. São Paulo: Leya, 2010.

CORALINA, Cora. Poemas dos becos de Goiás e estórias mais. 6° ed. São Paulo. Editora Global, 1988.

COUTO, Mia. Narrativa e incerteza in: Incerteza viva: processos artísticos e pedagógicos. 32°ed- Bienal de São Paulo, 2016.

NARANJO, Javier. Javier. Casa das estrelas: o universo contado pelas crianças. Editora Foz. São Paulo, 2016.

Quem é o professor

André

André do Amaral é poeta-pesquisador, mestre em Arte Educação pela UNESP e graduado em Letras pela USP. Atualmente, facilita nascimento de palavra e cuida da Serena.

Quando

Dias 21, 23, 28 e 30/7
Das 19h às 21h

Onde 

Online
As informações de acesso serão disponibilizadas por e-mail.

Público

Geral

Investimento

R$ 280,00

PagSeguro
* em até 4X sem juros no cartão de crédito.
* 3,5% de desconto para pagamentos via boleto bancário.

PayPal
* 3,5% de desconto no cartão de crédito (parcela única).
* em até 6X sem juros no cartão de crédito.

VOCÊ PRECISA  ESPERAR  A DATA DO CARTÃO VIRAR?
Fale com a gente e reserve sua vaga pelo e-mail cursos.acasatombada@gmail.com 

Informações sobre bolsa
Clique aqui

Outros cursos d'A Casa

[31/07/21] Bate-papo: Paraskeué e os processos de cura – com Flávio Fêo e Naine Terena

[27/07/21] Contar e Visualizar: Transpondo as Imagens para o Corpo e a Palavra – com Simone Grande

[27/07/21] Poesia marginal e periférica – com Jéssica Balbino

[27/07/21] Mergulho da História: o Lobo – com Ana Luísa Lacombe

[26/07/21] Evolurir ou rirvolucionar: a graça de viver – com Paulo Federal (Palhaço Adão)

[26/07/21] Narração de Histórias e o Direito à Preguiça – com Giuliano Tierno

[26/07/21] O ovo, a tartaruga e a noite: mitos de origem e o gesto criativo – com Ana Gibson e Juliana Franklin

[24/07/21] Rodas populares – com Xavier Francisco

[24/07/21] A arte de narrar histórias pretas – com Giselda Perê

[23/07/21] Uma leitura indígena sobre o Pensamento de Fanon – com Geni Núñez

[23/07/21] Masculinidades: sociedade, política e subjetividade – com Marcos Felinto e Viny Rodrigues

[22/07/21] #artistaDEFpresente: novas perspectivas sobre o corpo com deficiência – com Estela Lapponi

[22/07/21] “(…) Ou talvez tanta revolta” – Educação, Literatura de autorias negras e Construção de Imaginários – com Juliana e Magno

[21/07/21] Poéticas caiçaras: memórias subterrâneas e oralidade pulsante – com Janaína de Figueiredo

[20/07/21] O sacy conta sua história – com Tati Fraga

[20/07/21] Invenção Literária: do começo aos meios – com Cristino Wapichana

[20/07/21] Entre infâncias e literaturas – com Juliana Correia

[20/07/21] Férias com a Carroça de Mamulengos

[20/07/21] III Ciclo de encontros: Poética latino-americana e pensamento da descolonização: caminhos, narrativas e utopias – com Bruno Simões

[19/07/21] C.A.S.A./Combo de Arte Sonora & Afins – com Ricardo Aleixo

[19/07/21]Conversas ao pé do fogo. Viver e contar: a maravilha dos mundos – com Mara Vanessa

[19/07/21] Conto de acordar memória – com Giba Pedroza

[19/07/21] A fotografia como arte literária – com Dúnya Azevedo

[19/07/21] A mulher que se escreve – com Ciça Lessa