Maurice BLANCHOT: a escritura do desastre e o tempo messiânico – com João Gomes

Sobre o curso

“A esperança messiânica – esperança que é também pavor – se impõe quando a história aparece politicamente apenas como uma azáfama arbitrária, um processo privado de sentido. Mas, se a razão política se torna por sua vez messiânica, essa confusão que retira sua seriedade da busca por uma história racional (compreensível) como da exigência de um messianismo (realização da moralidade), testemunha somente um tempo tão angustiante, tão perigoso, que todo recurso parece justificado: podemos tomar distância quando Auschwitz acontece? Como dizer: Auschwitz aconteceu?” (L’Écriture du Désastre, p. 216).

Este curso poderia justificar-se plenamente se conseguisse oferecer os instrumentos necessários para que a passagem acima se tornasse completamente legível. Na verdade, não estaríamos longe dos objetivos que aqui nos propomos. A citação escolhida condensa de forma potente quase todos os elementos sobre os quais conversaremos ao longo dos nossos 8 encontros tal como detalhado no cronograma, no entanto, é importante ressaltar que a leitura de A Escritura do Desastre, hoje, nos arrasta para um ponto crítico do pensamento histórico e filosófico contemporâneos sem a experiência do qual, me parece, permanecemos desprovidos dos meios e da linguagem que desarmam, tornam inoperantes, o vocabulário da violência e possivelmente também a sua força de penetração nos corpos e nas subjetividades. A esse ponto crítico dá-se o nome de “desastre” e de “messianismo”. É fato que a resistência pode e deve se dar em níveis diversos de ação, mas buscaremos entender se ela pode e deve também se dar mais profundamente em níveis diversos de temporalidade (em seus desdobramentos sociais, políticos e subjetivos como organizados nas duas partes do curso).

Além do livro que estará no centro das nossas atenções, A Escritura do Desastre, recorreremos a algumas obras literárias de Blanchot, absolutamente fundamentais, e a uma variedade de outros de seus escritos críticos e cartas. Dialogaremos igualmente com Walter Benjamin, Gershom Scholem, Michael Löwy, Giorgio Agamben, com a psicanálise de Serge Léclaire e confrontaremos o autor da QTP (Quarta Teoria Política) Alexandr Duguin.

 

Percurso do curso

1ª Parte: desastre e messianismo

Encontro 1 (20/4): O que é o desastre?

Encontro 2 (27/4): Introdução ao problema do messianismo (Michael Löwy)

Encontro 3 (4/5): A literatura de Blanchot e o tempo messiânico

Encontro 4 (11/5): A fraqueza e o messianismo

Encontro 5 (18/5): Antifascismo: Walter Benjamin e Maurice Blanchot face à Alexandr Dugin

 

2ª parte: temporalidade, memória e montagem na Escritura do Desastre

Encontro 6 (25/5): “Uma cena primitiva”: a presença de Serge Leclaire (convidada: Natália Léon)

Encontro 7 (1/6): “Uma cena primitiva”: montagem e citação

Encontro 8 (8/6): Conclusão

Quem é o professor

FB_IMG_1538801587621

João Gomes é professor, historiador e pesquisador independente. Bacharel em História pela PUC-SP, Mestre em História Social (História Medieval) pela Unesp e doutorando em História Medieval pela Université Paris-I La Sorbonne e EPHE-Paris.  

Quando

Dias 20, 27/4; 4, 11, 18 e 25/5 ; 1 e 8/6 (às terças-feiras)
Das 19h30 às 21h

 

Onde 

Online
As informações de acesso serão disponibilizadas por e-mail.

Público

Geral

Turma

30 pessoas

Investimento

R$ 400,00

PagSeguro
* em até 4X sem juros no cartão de crédito.
* 7% de desconto para pagamentos via boleto bancário.

PayPal
* 7% de desconto no cartão de crédito (parcela única).
* em até 6X sem juros no cartão de crédito.

VOCÊ PRECISA  ESPERAR  A DATA DO CARTÃO VIRAR?
Fale com a gente e reserve sua vaga pelo e-mail cursos.acasatombada@gmail.com 

.

Outros cursos d'A Casa

[09/02/21] Experimentos de escuta e escrita – com André Gravatá

[06/02/21] O lugar onde moram as palavras – com Cristina Taquelim

[06/02/21] Ateliê Dançar o Desenho – com JulliPop

[01/02/21] Ciclo de encontros: Pensamento da descolonização e poética latino-americana: caminhos, narrativas, utopias – com Bruno Simões

[01/02/21] Escrituras do olhar: o trânsito entre a natureza da palavra e a natureza da imagem – com Edith Derdyk

[29/01/21] Fluxos criativos – com Laura Tamiana

[28/01/21] Estar de fora é como estar morto em um corpo vivo: notícias e narração de histórias – com Magno Rodrigues Faria

[27/01/21] Imaginação ou Pensamento? A alquimia dos elementos na formação do pensamento-imagem – com Melissa Migliori

[27/01/21] Diálogos sobre a leveza – com Angela Pappiani

[25/01/21] Oficina de Criação de Livro Ilustrado – com Carolina Moreyra e Odilon Moraes

[25/01/21] As Mil e Uma Noites: o poder da palavra feminina em Shahrazade – com Gislayne Matos / 2ª turma

[25/01/21] Certas afro-particularidades no panorama editorial: escrita, ilustração e leitura crítica – com Heloisa Pires Lima

[21/01/21] Encontros indígenas: conversas ao redor do fogo – Com Mara Vanessa

[21/01/21] Potências Piratas: histórias da tradição oral e a emergência de cartografias imaginárias – com Ana Gibson e Juliana Franklin

[19/01/21] A Ética da Paisagem – com João Rocha

[19/01/21] BiograĐmeas: um carteado com o passado feminino Рcom Sandra Lessa e Tatiana Lohmann

[18/01/21] De Infância e nuvens: o contador de histórias e o imaginário infantil – com Giba Pedroza

[18/01/21] A paixão pela palavra: o narrador aberto e a escuta como eixo – com Kiara Terra

[18/01/21] Escovar palavras: democracia e liberdade – com Luiza Christov

[18/01/21] Mergulho na História: As Bruxas – com Ana Luísa Lacombe

[18/01/21] Circular livros hoje: encontros e desencontros – com Anna Luiza Guimarães, Camila Feltre e Cristiane Rogerio