Como traduzir um rosto - com Leo Gonçalves

Sobre o curso

Um dos rostos da arte da tradução se parece com o rosto da poesia: a busca do impossível pela via da palavra. A experiência com a tradução poética nos permite explorar, para além da própria tradução em si, as inúmeras possibilidades do verso, bem como as reflexões sobre o que pode um poema. Esta é uma oficina de tradução poética. Uma abertura para a experiência do poema. Uma ponte por sobre os limites e as barreiras das línguas. Uma oficina borderline porque ela nos convoca a ultrapassá-las, as fronteiras. O poema como gesto único, às margens do inaudito, pode ser intransponível. Como traduzir um rosto.

 

Percurso das aulas
Todas as aulas se desenvolvem pela prática, pelo próprio trabalho de tradução. Serão trazidos para cada etapa, um bom repertório de poemas que traduziremos em colaboração, podendo haver a escolha coletiva. Ao final de cada vivência, deixaremos algum espaço para a troca e a reflexão entre os participantes.

Encontro 1 (11/11): Tecendo a manhã
Ao escolher aqueles poemas que mais nos atraem, vamos descobrindo juntos os percursos possíveis. Na travessia de uma língua à outra, o tradutor precisa escolher quais elementos virão junto na língua-destino. Por isso, ao se tecer a manhã do poema, descobriremos de que modo é possível que um poema permaneça poema, contrariando talvez a máxima de Samuel Taylor Coleridge de que poesia é aquilo que se perde na tradução.

Encontro 2 (18/11): A arte de perder
A tradução é uma arte de perdas e ganhos. Como, então, se valer da técnica das compensações, defendida com frequência pelos concretistas? Como explorar as invenções e inovações postas no original de modo criativo? “Não é difícil dominar a arte de perder”, diz Elizabeth Bishop em seu poema. Não mesmo? Descobriremos juntos?

Encontro 3 (25/11): Em que espelho dicou perdida a minha face
O poema não tinha esse rosto. A tradução poderia ser um espelho. Mas numa proposta mais radical, pode-se traduzir encontrando outro rosto para o poema. Aqui, o experimento se dá pela técnica da apropriação. Onde um outro rosto, perdido em outro espelho, pode transfigurar o rosto de agora.

Encontro 4 (02/12): A expansão das coisas infinitas
A tradução intersemiótica parte da ideia de que os sistemas artísticos e semióticos podem encontrar “correspondências” entre si, as linguagens artísticas realizando, assim, uma “conversa infinita”. Nesse sentido, uma dança poderia ser traduzida para a poesia, assim como um filme poderia ganhar uma versão em música. Talvez a mais radical das traduções radicais, a tradução intersemiótica se baseia na compreensão de elementos semióticos fundamentais, a serem “traduzidos” de uma linguagem a outra. 

 

Pré-requisito para participação: preferencialmente pessoas que tenham noções de inglês, francês, espanhol ou italiano.

Recursos técnicos para as aulas online: Compartilhamento de textos em word.

Material: dicionários.

Quem é o professor

Leo Gonçalves - flaviane lopes

Leo Gonçalves é autor de “Use o assento para flutuar” (Crisálida, 2018), entre outros, aparece em antologias como “É agora como nunca: Antologia incompleta da poesia brasileira contemporânea”, organizada por Adriana Calcanhotto e publicada pela Companhia das Letras e “Retendre la corde vocale: anthologie de la poésie brésilienne vivante”, organizada e traduzida por Patrick Quillier, publicada pela editora francesa Le Temps des Cerises. 

Traduziu “O doente imaginário”, de Molière (Crisálida, 2008), “Canções da Inocência e da Experiência”, de William Blake (Crisálida, 2005), e “Isso”,  de Juan Gelman, publicada em 2004 e reeditada em 2021 pela UnB). “La medusa dual – Antología bilingue de poesía mexicana” (Cisnegro, 2018) e “Tenho tanta palavra meiga” (Libera, 2013), foram publicadas na Cidade do México e organizadas por Fernando Reyes. Escreve frequentemente no https://www.salamalandro.redezero.org

Quando

Dias 11, 18 e 25/11
e 2/12

 (às quintas-feiras)
Das 19h às 21h

Onde 

Online
As informações de acesso serão disponibilizadas por e-mail.

Público

Pessoas de todas as idades interessadas pela linguagem poética

Turma

25 vagas

Investimento
R$ 240,00

Alunes e ex-alunes d’A Casa Tombada têm 10% de desconto em todos os cursos livres. É só pedir o o cupom de desconto pelo email cursos.acasatombada@gmail.com

Pagar.me
Parcela única no boleto bancário OU
Em até 10 X sem juros no cartão de crédito

PayPal
Em até 10 X sem juros no cartão de crédito

VOCÊ PRECISA  ESPERAR  A DATA DO CARTÃO VIRAR?
Fale com a gente e reserve sua vaga pelo e-mail cursos.acasatombada@gmail.com 

Bolsas de estudo

Aceitaremos inscrições para o processo de bolsa até sete (7) dias antes do início do curso. Mais informações no LINK

Outros cursos d'A Casa

[26/11/21] Pensar política como uma mulher negra: uma imersão ao pensamento de Beatriz Nascimento e Lélia Gonzalez – com Simony dos Anjos

[23/11/21] Poética latino-americana e pensamento da descolonização: caminhos, narrativas e utopias / III Ciclo de encontros – com Bruno Simões

[22/11/21] Deuses, deusas, monstros e heróis: da jornada heroica à experiência humana – com Marco Haurélio

[22/11/21] Encontros com o Povo Verdadeiro: narrativas tradicionais e histórias vividas com povos indígenas brasileiros – com Angela Pappiani

[09/11/21] Tecituras de Lina: o bordado como processo / Cartas para Colette, Louise Bourgeois – com Ivy Ota Calejon

[09/11/21] Brincadeiras dançadas e cantadas: encantar e celebrar as nossas existências – com Vivian Parreira

[09/11/21] O mundo está prometido ao Drama-Poesia – com João Rocha

[09/11/21] O Desenho da Escrita e a Escrita no Desenho – com Edith Derdyk

[08/11/21] Histórias e tapetes: uma tradição milenar – com Warley Goulart

[08/11/21] Deuses, deusas, monstros e heróis: da jornada heroica à experiência humana – com Marco Haurélio

[08/11/21] Encontros com o Povo Verdadeiro: narrativas tradicionais e histórias vividas com povos indígenas brasileiros – com Angela Pappiani

[04/11/21] Colagem: recorte a vida e transforme em arte – Sofia Lemos – curso com 4 módulos independentes – Módulo IV