Escrever a voz – com Ângela Castelo Branco e Renata Gelamo

Sobre o curso

[ Inscrições encerradas ]

 

uma voz que sai de uma boca úmida e irrompe do vermelho da carne (Cavarero). Há uma escrita que sai da mão empunhando uma ferramenta e sulca uma superfície. Há uma escuta que faz tremer a membrana timpânica e os ossos. Há um silêncio que se aloja nas cavidades do corpo. Há o corpo como espaço possível para viver a experiência.

O convite desse curso é para aproximarmos a voz e a escrita. Ou seja:

Há uma voz que se manifesta em nós em sua materialidade corpórea (colocando em jogo saliva, lábios, língua, dentes, palato mole, palato duro, úvula, faringe, laringe, pregas vocais, pulmões etc) e essa voz afeta a nós mesmas (os) e a quem escuta. Voz que encosta na pele e faz vibrar a membrana timpânica, faz mover os ossículos do ouvido, os líquidos da cóclea. Uma voz afeto que em sua materialidade cria efeitos de sentido, pode provocar prazer, pode repelir ou convidar a estar junto.

Há uma escrita que emerge do próprio gesto de escrever, que vai encontrando caminhos de passagens por entre o encontro das mãos (punho, braço, unhas, dedos etc.), as ferramentas (lápis, tinta, faca, giz, graveto etc.) e as superfícies (papel, tela, parede, folha, chão etc.). Escrita que revela a própria escrita, os seus embates, o seu ir e vir, que se afeta com o convite que as palavras, o corpo e os sentidos lhe fazem. Uma escrita por escrever. Uma justa medida entre o que se deseja e o que se consegue escrever. Sem tanto controle, sem tanto desvio. Ou melhor, uma escrita que é o próprio desvio.

Buscaremos, nesse percurso, uma voz-escrita que se produz no/entre/pelo corpo, que se abre ao desejo criador e perfurador da língua, que se abre para outros dizeres, para as diferenças e singularidades. Essa voz-escrita quase incapturável, quase inaudível, que nasce do ato de colocar-se em fluxo com a polifonia de gestos da voz e gestos da escrita que nos constituem.

 

Primeiro encontro (9/6)

Voz-experiência

  • poéticas da anatomia e fisiologia da voz
  • gestos de voz

 

Segundo encontro (16/6)

Escrita-experiência

  • poéticas da anatomia e fisiologia da escrita
  • gestos de escrita

 

Terceiro encontro (23/6)

  • práticas de escuta
  • práticas de voz
  • práticas de escrita

 

Quarto encontro (30/6)

  • partilhas da voz da escrita
  • partilhas de escuta

 

Referências:

Agamben, Giorgio. Por uma ontologia do gesto. Belo Horizonte: Chão da feira, 2018.

Amaral. Arthur Iraçu Fuscaldo. Ro’wapari’nhore: sonhar e pegar cantos no Xamanismo A’uwe-Xavante. São Paulo: Porto de Ideias, 2016.

Barthes, R. O grão da voz. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

______________. O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva, 2010.   _________________. Aula. São Paulo: Cultrix, 2007.

Cavarero, Adriana. Vozes Plurais: filosofia da expressão vocal. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2011.

Chatwin, Bruce. O Rastro dos Cantos. Cia das Letras, 1996.

Oliveros, Pauline. Deep Listening. A composer’s sound practice. New York: i-Universe, 2005.

Skliar, Carlos. Desobedecer a linguagem: educar. Belo Horizonte:Autêntica, 2014.

Sundberg, Johan. Ciência da voz: fatos sobre a voz na fala e no canto. São Paulo. Edusp, 2015.

Quem são as professoras

Ângela Castelo Branco é  Doutora em Artes e Mestre em Educação pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Poeta e arte educadora. Fundadora d’A Casa Tombada- Lugar de Arte, Cultura, Educação. Coordena ações educativas em exposições de artes visuais e literatura como A Biblioteca à noite no SESC Avenida Paulista, Exposição REVER – Augusto de Campos, no SESC Pompeia. É professora de escrita nos cursos de pós-graduação A Arte de Contar Histórias – abordagens poética, literária e performática e O Livro para a Infância – realizados pela Casa Tombada em parceria com a Facon. É autora dos livros “Epidermias” e “É Vermelho o Início da Árvore”. Escreve no www.angelacastelobranco.blogspot.com.

Renata Gelamo_pb_foto Tarita de souza

Renata Gelamo, arte-educadora e produtora cultural, é graduada em Fonoaudiologia, Mestre em Estudos Linguísticos e Doutora em Artes pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). Professora dos cursos de pós-graduação Canção Popular: criação, produção musical e performance e Pedagogia Vocal: expressão e técnica na Faculdade Santa Marcelina – FASM; professora do curso de pós-graduação Narração Artística: caminhos para contar histórias em contexto urbano na  FACON/A Casa Tombada. Faz parte do Vocal SP, grupo formado por profissionais que promove discussões interdisciplinares sobre a voz. Fundadora do Ateliê de Voz.

Interesse por novas turmas

Quando

9, 16, 23 e 30/06 (sempre às terças-feiras)
Das 19h às 21h

 

Onde 

Online
As informações de acesso serão disponibilizadas por e-mail.

Público

Geral

Turma

16 pessoas

Outros cursos d'A Casa

[21/11] Para Amar a Poesia: a arte da palavra e a infância – com Giba Pedroza

[30/11] Escritas de quarentena – com Tatiana Barbosa Cavalari

[19/11] A Poética do Objeto: da Metáfora ao Afeto – com Kelly Orasi

[18/11] Ateliê online: Práticas de desenho e pintura – com Biba Rigo

[12/11] Música Africana na Diáspora no Brasil – com Spirito Santo

[12/11] O Diário de Frida Kahlo: um escrever pictórico? – com Carla D’Alessandro

[09/11] Escutas radicais: ecologia de práticas e práticas em ecologia – com Sebastian Wiedemann

[09/11] A linha e seus papéis: cartografias do desenho – com Edith Derdyk

[15/10] Oficina de poesia: O delírio da palavra – com Tatiana Fraga

[14/10] O rito de passagem das fotografias: reinvenção de memórias – com Sandra Lessa e professores convidados

[16/09] Conto de Fadas: Retorno ao País da Infância – com Marco Haurélio – 3º módulo

[01/09] Livro de Artista e suas extensões gramaticais – curso de extensão universitária com coordenação de Edith Derdyk