Educação antirracista com histórias: Mitos e contos africanos e afro-brasileiros - com Giselda Perê

Sobre o curso

O racismo estrutural construiu caminhos de marginalização das histórias das culturas negras, invisibilizando as narrativas negras nos processos formativos de crianças, jovens e adultos. Mas ainda é tempo de se somar na luta antirracista, seja como artista, como educadora/educador, ou como responsáveis direto por uma criança. Vamos descobrir o quanto as histórias das culturas tradicionais podem nutrir imaginários e mostrar a sabedoria e riqueza de nossas heranças ancestrais.

 

Programa

Primeiro encontro (09/06)
A tradição oral – resistência e persistência.

Segundo encontro (16/06)
A mitologia dos orixás: por que contar?

Terceiro encontro (23/06)
Contos tradicionais: conhecendo povos africanos por sua própria voz.

Quarto encontro (30/06)
Como narrar as histórias da nossa ancestralidade? Lidando com os racismos

 

Bibliografia

ARAÚJO, Patrício Carneiro. Entre ataques e atabaques: intolerância religiosa e racismo nas escolas. São Paulo: Arché, 2017.

BÂ, Amadou Hampaté. Amkoullel, o menino fula. São Paulo: Palas Athena: Acervo África, 2013.

BÂ, Amadou Hampaté. A tradição viva.In: KI-ZERBO, Joseph (ed.) História geral da África. v. I: Metodologia e pré-história da África. Brasília, DF: Unesco, 2010. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ue000318.pdf (Acesso em: 15 jan. 2020

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de História e Cultura AfroBrasileira e Africana. Brasília, DF, 2003

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Brasília, DF, 2003a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm Acesso em: 14 jan. 2020.

Quem é a professora

Giselda Perê

Giselda Perê artista e educadora há 20 anos, Mestra em Arte/Educação pelo Instituto de Artes da Unesp, fundadora do Agbalá Conta núcleo de pesquisa e narração de histórias das culturas negras.

Interesse por novas turmas

Quando

9, 16, 23 e 30/06 (sempre às terças-feiras)
Das 19h às 21h

 

Onde 

Online
As informações de acesso serão disponibilizadas por e-mail.

Público

Geral

Turma

30 pessoas

Outros cursos d'A Casa

[21/11] Para Amar a Poesia: a arte da palavra e a infância – com Giba Pedroza

[30/11] Escritas de quarentena – com Tatiana Barbosa Cavalari

[19/11] A Poética do Objeto: da Metáfora ao Afeto – com Kelly Orasi

[18/11] Ateliê online: Práticas de desenho e pintura – com Biba Rigo

[12/11] Música Africana na Diáspora no Brasil – com Spirito Santo

[12/11] O Diário de Frida Kahlo: um escrever pictórico? – com Carla D’Alessandro

[09/11] Escutas radicais: ecologia de práticas e práticas em ecologia – com Sebastian Wiedemann

[09/11] A linha e seus papéis: cartografias do desenho – com Edith Derdyk

[15/10] Oficina de poesia: O delírio da palavra – com Tatiana Fraga

[14/10] O rito de passagem das fotografias: reinvenção de memórias – com Sandra Lessa e professores convidados

[16/09] Conto de Fadas: Retorno ao País da Infância – com Marco Haurélio – 3º módulo

[01/09] Livro de Artista e suas extensões gramaticais – curso de extensão universitária com coordenação de Edith Derdyk