Livro de Artista e suas extensões gramaticais – curso de extensão universitária com coordenação de Edith Derdyk

Sobre o curso

Livro de artista, livro-objeto, objeto livro, obra-livro, caderno de anotações, são termos e experiências relativamente recentes no cenário artístico brasileiro. O livro, tal como o reconhecemos hoje em sua forma, função e realidade tecnológica, sinaliza um outro território poético quando se pensa nele como suporte experimental.

As possibilidades formais que se entreabrem a partir da investigação do livro como objeto poético desenham um arco extenso de experimentações, congregando o conhecimento artesanal aos processos industriais, potencializando a mixagem de várias linguagens e modalidades de registros visuais e literários, multiplicando a descoberta de estruturas narrativas dadas pelos entrelaçamentos inusitados entre a palavra e a imagem.

O modo de produção do livro de artista pode tanto se apresentar como objeto único quanto ser posto em perspectiva de escala industrial. A possibilidade da multiplicação sem perder a natureza singular de sua singularidade é uma das questões formuladas na produção do Livro de Artista.

O curso de extensão Livro de Artista e suas extensões gramaticais pretende radiografar várias instâncias relativas à concepção, realização, produção e distribuição do Livro de Artista no cenário contemporâneo. Para isso abordaremos a história do livro dentro dos percursos das várias civilizações, os trânsitos entre a natureza da palavra e da imagem, estruturas narrativas, o livro com índice performativo, a leitura da imagem e o visual da escrita, as materialidades do Livro de Artista, a manufatura e artesania do livro – seja artesanal, seja industrial –, bem como a produção e a circulação de Livros de Artista nas feiras, bibliotecas e museus. Serão convidados pesquisadores, artistas, teóricos e produtores para ministrar aulas durante o nosso percurso (veja abaixo).

O curso de extensão se estrutura em dois vetores: teórico e prático que funcionam em estado de conversa. Às terças-feiras as aulas serão ministradas para toda a turma, priorizando recortes históricos, questões teóricas e conceituais. As aulas realizadas às quartas-feiras serão dedicadas às orientações de trabalhos pessoais bem como leituras e proposições que vão surgir a partir das aulas de terça, entendidas também como impulsos para experimentar o livro. A turma será dividida em dois grupos visando o aprofundamento das leituras dos trabalhos pessoais, intercalando as semanas de modo a dar tempo também para pesquisa e produção. De todo modo, a turma poderá assistir a todas as orientações.

 

ESTRUTURA DO CURSO

16 encontros teóricos, oito deles com palestrantes convidadas e convidados: Amir Brito, Ana Luiza Fonseca, Camila Feltre, Elaine Ramos, Fabio Morais, Galciani Neves, Paulo Silveira e Regina Melim.
Às terças-feiras, das 20 às 22h, nos dias:
9, 16, 23, 30/03
6, 13, 20, 27/04
4, 11, 18, 25/05
1, 8, 15, 22/06

16 encontros práticos – orientações de trabalho conduzidos pela artista Edith Derdyk e convidados. Estes encontros práticos serão alternados entre duas turmas (A e B), sendo que todos os alunos poderão acompanhar a orientação nos dois encontros.
Às quartas-feiras, das 20h às 22h, nos dias:
10, 17, 24, 31/03
7, 14, 21, 28/04
5, 12 , 19, 26/05
2, 9, 16, 23/06

Organizaremos um arquivo no Google Drive para cada aula, com ementa, livros indicados e pasta para acompanhamento de trabalhos produzidos no decorrer do curso.

Cronograma/programa do curso
16 aulas teóricas, das 20h às 22h, nas seguintes datas:

Aula 1 (09/03)
Edith Derdyk – As fabulações e fundações do livro
Introduzir um breve percurso da História do Livro, campo de pouso de memórias e imaginários no percurso das civilizações, sinalizando a sintaxe construtiva da origem do livro em suas diversas modalidades. Quando seus elementos funcionais tornam-se resíduos e ruídos poéticos?

Aula 2 (16/03)
Amir Brito – Alegoria da Leitura
A aula trata de algumas possibilidades de interação palavra/imagem em livros de artista, incluindo exemplos da escrita como imagem (a materialidade do texto), da legenda como um texto que modifica a percepção da imagem (alegorias). O objetivo é demonstrar os procedimentos de montagem que podem ser utilizados para integrar palavra e imagem na estrutura do livro, seja por justaposição (lado a lado), fusão (poesia visual) ou combinação de palavra e imagem no mesmo espaço (as narrativas gráficas, os quadrinhos).

Aula 3 (23/03)
Edith Derdyk – Escrituras do olhar: o trânsito entre a natureza da palavra e a natureza da imagem
Como o Livro de Artista opera e (des)constrói a construção do olhar que transita entre a imagem que lê e a palavra que vê? Destas fricções entre a palavra e a imagem emerge a célula de um livro, a ignição de uma narrativa, o impulso nascente de uma superfície que se estende gerando volume.

Aula 4 (30/03)
Galciani Neves – A palavra no livro, o livro como espaço
Designar caminhos por onde o corpo pode caminhar são escolhas há bastante tempo baseadas em privilégios. A Covid-19 escancarou ainda mais quem pode ir e vir e em que circunstâncias. Pensando nessa crise sanitária, ecológica e política e em questões sobre circulação nos espaços que ela vem nos colocando, proponho uma reflexão sobre a palavra como corpo que se desloca no espaço-livro. Publicações de artistas, livros de literatura, projetos instalativos serão discutidos a partir das férteis relações entre arte e literatura.

Aula 5 (06/04)
Edith Derdyk – Materialidade e estrutura narrativa
A leitura de um livro sempre se inicia pelas pontas dos dedos indiciando a presença de sua materialidade, fisicalidade, tatilidade dada as informações sensíveis que qualquer livro carrega ao ser, em si, um objeto que inaugura o tempo. Basta abrir a primeira página desta caixa fechada. Quais as diferenças vitais e estruturais entre um livro funcional e um livro cuja espacialidade promove temporalidades e, portanto, narrativas?

Aula 6 (13/04)
Camila Feltre – Diálogos e experimentações com Bruno Munari
Das “esculturas para viagem” aos “livros ilegíveis”, passando pelas “máquinas inúteis”, Bruno Munari atuou de forma transgressora em diferentes frentes como as artes, o design, a produção de livros (inclusive para o público infantil) e a educação – por meio dos chamados “laboratórios táteis”. Neste encontro, vamos adentrar no universo do artista italiano e nas suas experimentações em torno da comunicação visual, da imagem e dos movimentos artísticos em que atuou, sendo referência a artistas até os dias atuais.

Aula 7 (20/04)
Edith Derdyk – O livro como partitura coreográfica
O livro de artista, cuja coesão entre significante e significado, entre forma e conteúdo,. são correlatos e indissociáveis, pode ser compreendido como dispositivo propositor e performativo, convidando o leitor ao estatuto de coautor. O livro de artista, diferentemente de um livro funcional, pode disparar outras modalidades de leitura a partir da coreografia proposta na maneira de folhear suas páginas.

Aula 8 (28/04)
Fabio Morais – Livro é obra, espaço e circuito (em si)
Questões que vão das materialidades e temporalidades do livro ao alcance de sua circulação imprimem-se na natureza de obras cujas lógicas editoriais possuem especificidades em relação às obras que têm o espaço expositivo como lugar de apresentação pública. Em Livro é obra, espaço e circuito (em si), Fabio Morais apresentará um recorte de sua obra de natureza editorial evidenciando suas particulares questões formais, conceituais e de circulação.

Aula (09/05)
Edith Derdyk – Das indefinições do livro de artista
Cada livro de artista funda sua própria teoria, alavancando um território, por um lado movente e, por outro lado, referente. Movente porque, talvez, conceber e produzir um livro de artista seja pensar sobre o que não é um livro, e referente porque todo livro de artista, de algum modo, sempre tem como pano de fundo a presença da gramática do livro.

Aula 10 (11/05)
Paulo Silveira – A editoração como linguagem artística a partir do século XX
Com alicerces nos incunábulos do Renascimento, no século XX as práticas editoriais foram incorporadas aos discursos identitários e intelectuais dos artistas, oferecendo possibilidades inéditas de erudição. Em olhar retroativo e testado pelas pesquisas acadêmicas, algumas situações podem ser tomadas como exemplo, especialmente desde os anos 1960 até o presente.

Aula 11 (18/05)
Edith Derdyk – O livro de artista é quase cinema?
Poderíamos pensar o livro de artista como um campo híbrido onde signos – verbais e visuais – jogam suas diferenças, estabelecidas por cartas intersemióticas e indisciplinares? Ver ou ler? Quando do espaço ou onde do tempo? Como somos movidos pelo impulso cinematográfico do deslize contínuo pelas superfícies e seus tropeços?

Aula 12 (25/05)
Elaine Ramos – Design de Livros: o designer como artista e o artista como designer
A aula vai abordar o livro pela ótica do design gráfico. Ao comentar livros desenvolvidos em editoras, explicita-se a relação direta entre forma e conteúdo, mostrando quais os elementos norteadores das decisões relativas ao projeto gráfico. Essas decisões buscam articular elementos que vão desde a escolha da tipografia, das cores, das imagens, até a estrutura física do livro — formato, materiais, tipo de encadernação, técnica de impressão entre outros.

Aula 13 (02/06)
Regina Melim – Publicar como prática artística
Buscaremos estender a discussão sobre a publicação de artista centrada não apenas como um trabalho de arte, mas também na sua manufatura e nos mecanismos para a sua circulação, o que implica muitas vezes em criar a sua própria editora ou plataforma editorial. Como uma espécie de visita guiada a algumas publicações e projetos da plataforma par(ent)esis serão apresentados alguns dos dispositivos que criamos ou nos inserimos para tentar dar conta dessas demandas.

Aula 14 (09/06)
Edith Derdyk – Ser um e ser mil – mais um lance de dados neste jogo infinito
Retomando alguns enunciados de Mallarmé, entre estes – “o mundo existe para terminar num livro”, iremos resgatar alguns conceitos para revitalizar nossas práticas, revendo e relendo Julio Plaza, Ulisses Carrión, Maurice Blanchot, Vilém Flusser.

Aula 15 (16/06)
Ana Luiza Foseca – Meio, fim e início – O enredo cíclico do trabalho editorial
De onde vêm e para onde vão os livros que publicamos? E as escolhas editoriais na feitura de uma publicação, são a origem ou a consequência da ideia? Nessa aula refletiremos sobre por que materializamos livros e por onde circulam esses objetos.

Aula 16 (23/06)
Edith Derdyk – O que pode/pede um livro?

O lugar do livro e o livro como lugar instauram uma ficção real que faz com que o livro deixe de ser livro funcional para ser mais livre ainda. Afinal, quais são os pilares fundantes e reconhecíveis para o livro de artista desamarrar, desalavancar, friccionar os códigos dados para outras chaves serem decifradas feito “A Biblioteca de Babe” ou o “Livro de Areia” (ambos de J.L.Borges)? “Porque nem o livro nem a areia tem princípio ou fim.”

 

16 encontros práticos: às quartas, das 20 às 22hs
Turmas A e B: oito (8) orientações para cada turma

Março
TURMA A: dias 10,24
TURMA B: dias 17, 31

Abril
TURMA A: 7, 21
TURMA B: 14, 28

Maio
TURMA A: 5, 19
TURMA B: 12, 26

Junho
TURMA A: 2, 16
TURMA B: 9, 23

 

EXPOSIÇÃO VIRTUAL
30 junho

 

Quem é a coordenadora do curso

edith

Edith Derdyk – artista, educadora, ilustradora de livros infantis, autora (Formas de Pensar o desenho, Linha de Costura, Disegno.Desenho.Desígnio, A pesar, a pedra, Linha de Horizonte: por uma poética do ato criador entre outros livros). Coordena Pós Graduação “Caminhada como método para a Arte e a Educação (A Casa Tombada). Contemplada com o título Doctora  Honoris Causa pelo 17, Instituto de Estudios Críticos no México.

Professores e professoras que estarão conosco

 Amir Brito Cador 
Artista e professor de Artes Gráficas, atua como curador, pesquisador e editor de livros de artista. Publicou pelas edições Andante os livros “A Night Visit to the Library”, “Learn to Read Art” e “A Técnica do Pincel”. Fez a curadoria de exposições sobre livros de artista no Centro Cultural São Paulo (SP), Museu de Arte da Pampulha (MG), Cabinet du Livre d’ Artiste (França). Em 2016, a editora da UFMG publicou sua pesquisa de doutorado “O livro de artista e a enciclopédia visual”. É curador da Coleção Livro de Artista da UFMG.

Galciani Neves
Professora (FAAP e Universidade Federal do Ceará) e curadora. Tem mestrado e doutorado em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. É autora do livro “Exercícios críticos: gestos e procedimentos de invenção” (Educ – SP e Fapesp, 2016). Coordena a Escola Entrópica (Instituto Tomie Ohtake). Desenvolve projetos curatoriais, atividades relacionadas à crítica, acompanhamento de artistas.

Camila Feltre
Professora e atua como coordenadora da pós-graduação O livro para a Infância, na Casa Tombada. Autora do livro “É um livro? Mediações e Leituras Possíveis” e doutoranda em Arte Educação no Instituto de Artes da Unesp-SP.

Fabio Morais
Artista visual. Atuando entre os espaços expositivo e editorial, sua prática funde visualidade e escrita ao experimentar noções de plasticidade e espacialidade da linguagem através da ficção, da história, das estórias, da narrativa. Doutorando na UDESC, sua mais recente exposição individual foi “çonoplaztía” (2018, Galeria Vermelho) e já participou de exposições coletivas em instituições como Bienal de São Paulo, Bienal do Mercosul, MAM-SP, Instituto Tomie Ohtake, CCSP, MACBA, MAC Lyon, CGAC, Astrup Fearnley Musset, Bonniers Konsthall, entre outras. Possui obras e livros publicados por editoras como plataforma par(ent)esis, Edições Tijuana, Dulcineia Catadora, Cosac Naify, Ikrek.

Paulo Silveira
Mestre e doutor em História, Teoria e Crítica da Arte. Professor do Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UFRGS.

Elaine Ramos
Sócia-fundadora da Ubu, dirige um estúdio de design atuante na área cultural. Foi, por 11 anos, diretora de arte da editora Cosac Naify, onde também coordenou a edição dos títulos sobre design. É coorganizadora do “Linha do tempo do design gráfico” no Brasil (2011). Desde 2013 é membro da Alliance Graphique Internationale (AGI). Em 2014 foi cocuradora da exposição Cidade Gráfica, no Itaú Cultural em São Paulo

Regina Melim
Vive e trabalha em Florianópolis. Docente no Departamento de Artes Visuais da Universidade do Estado de Santa Catarina. Coordena nesta mesma Universidade, junto com Raquel Stolf, o grupo de pesquisa proposições artísticas contemporâneas e seus processos experimentais, bem como a sala de leitura | sala de escuta, um espaço que abriga um acervo de publicações de artista (impressas e sonoras) para pesquisa, leitura e escuta a todos os interessados no tema. Em 2006 criou a par(ent)esis, uma plataforma de pesquisa, produção e edição de projetos artísticos e curatoriais no formato de publicações impressas (www.plataformaparentesis.com). Coordenou de 2012 a 2019 a publicação “¿hay en portugués?” como atividade decorrente de seminários realizados com os alunos do Pós-Graduação em Artes Visuais.

Ana Luiza Fonseca
Graduada no curso de Artes Plásticas pela Fundação Armando Álvares Penteado (São Paulo/SP). Dirigiu o projeto Tijuana por oito anos, editou os livros publicados pelo selo Edições Tijuana no período de 2010 a 1015, e lançou a Feira Tijuana de Arte Impressa. Como curadora independente, trabalhou no núcleo de livros de artista da exposição Imagine Brazil, no Astrup Fearnley Museet (Oslo, 2012) e realizou a exposição “Além da Biblioteca”, no Museu Lasar Segall (2011), Itochu Aoyama Artsquare (Tóquio, 2012) e na Frankfurter Buchmesse (Frankfurt, 2012). De 2016 a 2018 atuou como curadora residente da Biblioteca | Centro de Documentação e Pesquisa da Escola de Artes Visuais do Parque Lage (Rio de Janeiro/RJ). Atualmente segue como colaboradora da Feira Tijuana em São Paulo e Rio de Janeiro. Ativa debates sobre edição e publicação de livros de artista em arte contemporânea, bem como a pesquisa de editoras independentes na América Latina.

Quando

Às terças-feiras, das 20 às 22h, nos dias:
9, 16, 23, 30/03
6, 13, 20, 27/04
4, 11, 18, 25/05
1, 8, 15, 22/06

Às quartas-feiras, das 20h às 22h, nos dias:
10, 17, 24, 31/03
7, 14, 21, 28/04
5, 12 , 19, 26/05
2, 9, 16, 23/06

 

Coordenação 

 Prof. Dra. Honoris Causa Edith Derdyk

Onde 

Online
As informações de acesso serão disponibilizadas por e-mail.

Público

artistas, estudantes e interessados em geral.

Turma

60 pessoas

Investimento

R$1.800,00

PagSeguro
* em até 4X sem juros no cartão de crédito.
* 7% de desconto para pagamentos via boleto bancário.

PayPal
* 7% de desconto no cartão de crédito (parcela única).
* em até 6X sem juros no cartão de crédito.

Para pagamentos em 6x entrar em contato com cursos.acasatombada@gmail.com 

VOCÊ PRECISA  ESPERAR  A DATA DO CARTÃO VIRAR?
Fale com a gente e reserve sua vaga pelo e-mail cursos.acasatombada@gmail.com 

Outros cursos d'A Casa

[13/03/21] Correnteza: uma jornada de mulher em jogo – com Yohana Ciotti