Esperançar em tempo de desencante: a tarefa da educação - com Luiz Rufino

Sobre o curso

Como esperançar em um tempo radicalizado no desencante? A esperança nos termos freirianos dribla a passividade e positividade tóxica que enlaçam a vida nesses tempos. A esperança como palavra geradora íntima da educação como força de insubordinação contra o assombro colonial, como modo de transgressão das hierarquias do poder. Esta é a aposta que faço para nosso encontro que tem como principal intuito tramar um debate político e filosófico sobre a educação como tarefa de descolonização.
Pensada não para gerar conformidade, mas driblá-la, a educação é a pulsação que possibilita a emergência de outros horizontes. Assim, ao longo do nosso encontro falarei da importância da “desaprendizagem”, da educação como prática da liberdade, da gira descolonial como uma contínua batalha do colonizado na tentativa de deslocar a ordem vigente, da escola do sonho, aquela que deve ser habitada pelo conflito, pelo questionamento e finalizo lembrando que brincadeira é coisa séria.

Se a educação/escola tem sido ao longo do tempo um tempo/espaço obsediado pela a agenda curricular colonial, ela é também um lugar necessário para a emergência da descolonização, principalmente por ser potente ao ‘cruzo’ de inúmeras práticas de saber, ser arrebatada pela imprevisibilidade e inventividade dos cotidianos e concentrar parte dos corpos políticos que, ao longo do tempo, são alvos dessa engenharia de destroçar vida e esperança.

Sobre o professor

luiz rufino_esperançar

Luiz Rufino é carioca, filho de pai e mãe cearenses, pedagogo e doutor em Educação. Desenvolve pesquisas sobre culturas brasileiras e tem nas esquinas, rodas, ruas, brincadeiras e matas suas principais fontes de interlocução. É professor da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense (FEBF) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e do Programa de Pós-graduação em Educaçao, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC-UERJ). É  autor de diversos livros, entre eles Pedagogia das Encruzilhadas (Mórula, 2019) e Vence-Demanda: educação e descolonização (Mórula, 2021).

Quando

Dia 4 de fevereiro (sexta-feira)
Das 19 às 21 horas

Curso com tradução em libras

Onde 

Online
As informações de acesso serão disponibilizadas por e-mail.
Após o início do curso você terá acesso à plataforma de estudo d’A Casa por 3 (três) meses, onde poderá rever as aulas gravadas, ter acesso a materiais referenciais e espaço livre para prática e troca entre alunos e alunas.

Turma

Sem limite de vagas

Investimento

R$ 60

Alunes e ex-alunes d’A Casa Tombada têm 10% de desconto em todos os cursos livres. É só pedir o cupom de desconto pelo email cursos@acasatombada.com

VOCÊ PRECISA ESPERAR A DATA DO CARTÃO VIRAR?
Fale com a gente e reserve sua vaga pelo e-mail cursos@acasatombada.com

Bolsa de estudo

Aceitaremos inscrições para o processo de bolsa até sete (7) dias antes do início do curso.
[ Mais informações  clique aqui ]

Outros cursos d'A Casa

[22/02/22] Leituras cruzadas de A Queda do Céu e Grande Sertão: Veredas – com Marcelo Ariel

[02/02/22] O não saber na poesia – com André Gravatá

[01/02/22] Palavras-sementes na arte-ofício do contador de histórias – com Gislayne Matos

[01/02/22] Grafismo e pintura indígena – com Yaguarê Yamã Aripunãguá

[ 29/01/22] Cadernos de histórias: o que eu preciso saber para contar? – com Mario Alves

[ 27/01/22] A Linguagem dos Pássaros: como os sonhos falam – com Kaká Werá

[ 25/01/22] BiograĐmeas: um carteado com o passado feminino Рcom Sandra Lessa

[24/01/22] Oficina de criação de livro ilustrado – com Carolina Moreyra e Odilon Moraes

[ 24/01/22] Educação Antirracista: entre saberes e fazeres – com Ananda Luz e Lolla Angelucci

[ 24/01/22] No conto me encontro e me reconto: uma travessia pelo conto “A Lenda das Areias” – com Tininha Calazans